Audiência abre espaço a protestos contra hidrelétrica no Rio Macaé



Ato contou com a presença de autoridades e moradores

Um pedido de socorro pelo Rio Macaé. Esse foi o tom da audiência pública realizada na noite desta segunda-feira (7) no Legislativo municipal, e presidida por Igor Sardinha (PRB). No evento foi discutido o interesse de três empresas em implantar Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) em Bonito (Nova Friburgo), Casimiro de Abreu e Cachoeiras de Macaé.

 

Após resistência nos dois outros municípios, duas iniciativas foram abandonadas pelas firmas, exceto a da área macaense, que continua sendo de interesse da empresa Ipar. Gerson Vieira Lima, do Conselho do Meio Ambiente de Casimiro de Abreu, disse que em sua cidade, o secretário do Meio Ambiente e o prefeito fecharam as portas à PCH. Uderson Ribeiro, representante do deputado estadual friburguense Wanderson Nogueira (PSOL), deu informações sobre a mobilização contra instalação da PCH em Bonito.

 

Segundo o subsecretario macaense do Meio Ambiente, Henrique Abrahão Charles, não há nada protocolado na prefeitura quanto ao empreendimento. Maria Inês Paes Ferreira, membro do Comitê da Bacia Hidrográfica dos Rios Macaé e das Ostras (CBH-Macaé), e coordenadora do Programa de Pós-graduação em Meio Ambiente do Instituto Federal Fluminense (IFF), disse que o comitê foi procurado pela Ipar.

 

“Eles nos apresentaram um projeto muito simplificado, que dá poucas informações sobre o que pretendem fazer”, disse Maria Inês. Ela citou estudo do IFF com dados sobre escassez de água que desaprovam a instalação de PCHs. Magno Grativol, representante do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), afirmou que as informações apresentadas pela empresa ao instituto encontram-se “em fase de pré-projeto, sem previsão de medidas mitigatórias ou compensatórias”.

 

Mobilização macaense

 

Igor elogiou o preparo e a mobilização dos técnicos e ambientalistas, e garantiu que ele e Marcel Silvano (PT), também presente na audiência, vão solicitar a adesão dos colegas, ou ao menos a chancela para agir em nome da Câmara. “Vamos mobilizar os meios de comunicação, confeccionar adesivos para automóveis e realizar outras ações, nos articulando também com outros interlocutores, como a Alerj e a Câmara Federal”.

 

“Podemos também tentar mobilizar o Executivo e propor emendas ao orçamento para investimentos em iniciativas de proteção ao Rio”, disse Marcel. Participaram ainda da audiência, entre outros, pesquisadores, moradores da Serra Macaense, pequenos agricultores, professores, estudantes, e representantes de entidades e empresas ligadas ao turismo. Todos se manifestaram contra a implantação da hidrelétrica.

 

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

 

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support