Audiência Pública discutirá legalização do aborto na Câmara de Macaé



 <font face="arial, helvetica, sans-serif"><span style="font-size: 14px;">Vereador espera apresentar carta de repúdio ao projeto</span></font>

 <span style="font-size:14px;"><span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;">Por iniciativa do vereador Manoel Francisco Neto, o Manoel das Malvinas, será realizada nesta quinta-feira (19), a partir das 18h, uma audiência pública para discutir a legalização do aborto na Câmara Municipal de Macaé. O autor do requerimento que propôs o debate convida toda a sociedade para discutir a lei que está em tramitação na Câmara Federal. “A intenção é construirmos uma carta de repúdio a esse projeto e levá-la à Brasília na semana seguinte”, informou Manoel.</span></span>

 &nbsp;

No próximo dia 26 de novembro, o vereador Manoel Francisco e o deputado estadual Jânio Mendes (PDT) participam de uma reunião da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), em Brasília, para discutir o assunto. O projeto de legalização do aborto foi proposto pelo deputado federal Jean Wyllys (PSOL) e protocolado na Câmara Federal em março deste ano.

 

O deputado Jânio também participará da audiência pública em Macaé, além de autoridades locais e representantes e entidades de diversos segmentos, como os religiosos. “Mas vamos ouvir também aqueles que pensam de forma diferente e ponderar cada contribuição. Esperamos todos na quinta-feira”, reforçou Manoel.

 

 

Saiba mais sobre o projeto

 

O projeto de lei para a legalização do aborto busca garantir às mulheres o direito de interromperem, voluntariamente, a gravidez até a 12ª semana de gestação. O aborto seria realizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e ainda estaria prevista a criação de políticas públicas para a educação sexual e os direitos reprodutivos e sexuais.

 

De acordo com a justificativa do projeto, são realizados de 729 mil a 1 milhão de abortos de forma clandestina e insegura no Brasil. Um estudo da Universidade de Brasília (UnB) também é mencionado no texto e aponta que a maioria das interrupções de gravidez são feitas por mulheres de 18 e 39 anos casadas, com filhos e religião: uma em cada sete já abortou. Na faixa etária de 35 a 39 anos, a proporção é maior: uma em cada cinco mulheres já interrompeu a gestação.

&nbsp;

Dados do DataSus, que reúne números do Sistema Único de Saúde, também são mencionados no projeto de lei e apontam que cerca de 230 mil internações acontecem todos os anos para tratar de complicações decorrentes do aborto inseguro. O projeto precisa ser apreciado pelas comissões antes de entrar em votação. 

 

 

Jornalista: Adriana Corrêa

&nbsp;

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support