Bolsa-Atleta: resposta sobre edital 2017 deve sair em uma semana



O secretário de Esportes, Aquiles Lemos Vieira, anunciará se neste ano será lançado um novo edital.
O novo secretário de Esportes, Aquiles Lemos Vieira, deve anunciar, em uma semana, se neste ano será lançado o edital para o programa Bolsa-Atleta.

O novo secretário de Esportes, Aquiles Lemos Vieira, deve anunciar, em uma semana, se neste ano será lançado o edital para o programa Bolsa-Atleta. A informação foi dada em resposta a Marvel Maillet (Rede), que presidiu a audiência pública sobre o tema na noite desta terça-feira (25), na Câmara Municipal de Macaé. “Amanhã (26) terei reunião com o prefeito e falarei com ele sobre este assunto”, disse Aquiles.

Também participou da audiência o ex-secretário, Thales Coutinho, que assumiu a pasta em 2015, quando as bolsas ainda vinham sendo pagas. “Após anos seguidos com orçamentos de R$ 18 milhões para o esporte, em 2016 esse valor caiu para R$ 4 milhões. Portanto, peço desculpas aos atletas, mas não pudemos lançar novo edital”, justificou.

O programa originado pela Lei 2.756/2006, para beneficiar o esporte amador, olímpico e paraolímpico macaense foi denunciado por ser pago a atletas que não moram em Macaé e que atuam profissionalmente, entre outros problemas. “Numa competição no exterior, um atleta brasileiro de outra cidade me disse que conseguiu a bolsa-atleta após transferir cinco títulos de eleitor para cá”, relatou Filipe Cyríaco, atual campeão sul-americano de jiu-jitsu.

Os vereadores Júlio César de Barros (PMDB), o Julinho do Aeroporto, e Maxwell Vaz (SDD) apoiaram a ideia de uma CPI do Bolsa-Atleta. “O programa sempre beneficiou pessoas de classe alta da nossa cidade”, acusou o peemedebista. “Ganho tudo em Macaé e tenho resultados internacionais e nacionais, como o da última Maratona de Curitiba: décimo primeiro no geral e primeiro na minha categoria, mas nunca consegui a bolsa”, disse o ultramaratonista e pedreiro Joseilton da Silva Santos, de 39 anos.

Esporte profissional x Bolsa-Atleta

“O programa me ajudou muito, mas quando minha bolsa foi cortada tive que parar de competir”, relatou João Cláudio Ramos, campeão mundial meio-pesado de Jiu-jitsu em 2014. O presidente Eduardo Cardoso (PPS) responsabilizou os investimentos no basquete e futebol profissionais por desperdício de recursos que poderiam ir para o Bolsa-Atleta. Thales falou sobre patrocínios de R$ 196 mil mensais para o basquete e R$ 2 milhões para o futebol. “Porém, quanto a esse segundo valor, não cheguei a ver documentos”.

O ex-secretário disse, ainda, que recebeu 13 denúncias de irregularidades que foram investigadas, e dois atletas foram excluídos. Ele também entregou a Aquiles um estudo com propostas para mudanças no programa. Os vereadores presentes se mostraram favoráveis à revisão da lei. Também participaram da audiência Alan Mansur (PRB) e Welberth Rezende (PPS), que com Marvel integram a Comissão Permanente de Esportes, além de Val Barbeiro (PHS), Márcio Bittencourt (PMDB) e Neto Macaé (PTC).

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support