Câmara distribui livro da Comissão da Verdade às escolas



 <span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">&nbsp;O livro, com relatos, documentos e estudos sobre a repressão militar (1964-1985), é uma publicação da Câmara Municipal.</span>

A partir desta segunda-feira (27), cópias do livro Relatório da Comissão da Verdade de Macaé (CVM) serão entregues às bibliotecas de todas as escolas públicas e particulares da cidade. O livro, com relatos, documentos e estudos sobre a repressão militar (1964-1985), é uma publicação da Câmara Municipal e teve lançamento em sessão solene no dia 17 de março.
 

A distribuição será feita pelos vereadores Luciano Diniz (PMDB) e Marcel Silvano (PT), integrantes da comissão. Com 194 páginas e organizado pelo historiador Meynardo Rocha de Carvalho, o relatório traz 15 depoimentos de pessoas, ou parentes delas, que sofreram perseguição na Ditadura Militar, como os ferroviários Lauro Martins e Valdir Tavares.
 

“Tinha um ginásio (…), éramos jogados ali, ao relento, dormíamos no chão (…) não comíamos, não deixavam que a gente levasse colchões ou cobertores, e passávamos frio”, conta Lauro, referindo-se ao Clube Ypiranga, usado pelos militares para concentrar os presos políticos. Entre os documentos da publicação, encontra-se a ata de cassação, no dia 20 de abril de 1964, de seis vereadores e suplentes por “exercerem atividades políticas contrárias ao regime”.
 

Walter Quaresma, Alberto Ramires, Alcebíades Vieira, Ricardo Moacir L. e Santos, Valdir Curvelo e Abílio Miranda tiveram reintegração simbólica de mandatos em 10 de abril de 2014. Na publicação, há também registros policiais de pessoas interrogadas sobre o seu envolvimento com “comunistas”. Com três capítulos dedicados aos ferroviários, intelectuais e camponeses – os três grupos que se opuseram ao regime em Macaé –, o livro apresenta ainda textos de Meynardo e outros autores, que mostram o contexto histórico da época.

O manifesto do General Olympio Mourão, um mostra da dureza do período, deflagrando o golpe militar, também consta no livro, que teve tiragem de 1 mil exemplares. “Distribuir esse relatório aos estudantes é fazer a memória do que a gente não quer que aconteça de novo. Graças aos que resistiram, hoje nós temos uma democracia”, afirma Luciano.

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support