Câmara promove audiências públicas em setembro

Duas audiências públicas estão previstas para acontecer na Câmar

Duas audiências públicas estão previstas para acontecer na Câmara este mês. Uma delas é a da Pesca, convocada pela vereadora Marilena Garcia (PT) e a outra da Educação,  que terá a presença de representantes do MEC para debater a emancipação da Uned/Macaé do Cefet/Campos.

Com data inicialmente marcada para 14 de setembro, a audiência da Pesca terá uma nova data que ainda será anunciada. “Uma outra data deve ser combinada até o final de setembro”, disse Marilena, alegando que a mudança se deu por conta de um congresso que será realizado pelos pescadores no mesmo dia.

Aliás, este será o segundo encontro já que em em 2005, por iniciativa de Marilena, aconteceu a primeira audiência com o segmento. De acordo com a petista, desta vez o evento está sendo organizado em parceria com a Secretaria Executiva de Pesca.

“A questão da pesca para Macaé é muito séria. A atividade está estreitamente vinculada, além dos pescadores, com os próprios ferroviários”, explicou Marilena.

Uned em discussão

A segunda audiência que deverá acontecer ainda no mês de setembro será a da Educação. Neste caso, o foco da discussão estará voltado para reivindicar a emancipação da Uned/Macaé, garantindo o aumento do número de cursos e de vagas disponíveis para a unidade do município.

A sugestão da audiência partiu do próprio Ministério da Educação após um encontro dos vereadores Jorge de Jesus (PRB) e Marilena Garcia (PT) com o ministro da pasta, Fernando Haddad, na última semana, quando os parlamentares acompanharam o prefeito Riverton Mussi (PMDB) em comitiva à Brasília. 

A vereadora Marilena Garcia afirmou que a preocupação em realizar uma audiência á para reivindicar a emancipação da Uned. Durante a audiência o objetivo será abordar o ensino científico e tecnológico de Macaé, com o foco no crescimento da Uned.

Marilena Garcia explica que a preocupação do ministro em sugerir a audiência da Educação teve como objetivo garantir a expansão da educação científica e tecnológica, atendendo aos cidadãos do interior do país e das periferias dos grandes centros urbanos.

Jorge de Jesus afirmou que quando esteve em Brasília foram levantados diversos pontos importantes pelas autoridades. Mas, segundo ele, o crucial foi a discussão sobre a Uned. “Nós temos uma escola técnica, que é apenas uma unidade, mas que na realidade fica vinculada ao Cefet de Campos. Em função disso, não oferecemos cursos melhores para nossos alunos”, avaliou.
.
Jorge de Jesus lembrou que foi entregue ao ministro um abaixo-assinado com quinze mil nomes o que motivou Fernando Haddad a sugerir a audiência pública. “Há muitos alunos reclamando de faltas de professores. Aquela unidade tem anos, existe desde 1993, mas está praticamente às moscas”, declarou.

Deixe uma resposta