Câmara repudia liberação das drogas e a violência contra mulher

O discurso do governador Sérgio Cabral (PMDB) durante o seminário Parceiros

O discurso do governador Sérgio Cabral (PMDB) durante o seminário Parceiros na Segurança, ocorrido dia 12 de fevereiro, na Federação do Comércio, no Rio de Janeiro, no qual ele se posicionou favorável à liberação das drogas, foi repudiado na sessão ordinária de ontem da Câmara de Vereadores. No seminário, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, que recebeu uma comitiva de Macaé contra à violência, na Segunda-feira (5), discordou do governador: “Sou totalmente contra”, disse durante sua palestra. Os vereadores ressaltaram também a crescente violência contra a mulher.

Os vereadores Luis Fernando Pessanha (sem partido), Júlio César de Barros (sem partido) e Maxwell Vaz (PT) manifestaram ontem que comungam do pensamento de Beltrame. “Quando o governador anuncia a possibilidade de liberação das drogas, ele aponta para uma fraqueza do estado de direito. Já que não consegue combater, vai legalizar. Justamente um homem que disse (durante a campanha) que faria um estado diferente na área da segurança.  É a decadência da sociedade”, pronunciou-se Fernando Pessanha.

Júlio César também lamentou a atitude do governador “Arrependo-me de ter votado nele e pedido votos. Os crimes hediondo foram praticados sob efeito de drogas”, disse. Ele também criticou a lei federal que exime de prisão os usuários de drogas. “Isso favoreceu o consumidor e com isso o tráfico”, considerou. Maxwell Vaz acredita que a opinião de Sérgio Cabral pode influenciar muitas pessoas  e ressaltou que a maioria dos crimes acontecem
sobre o efeito das drogas, até mesmo o álcool. “São nessas condições também que as mulheres são espancadas.  Ele está , de certa forma, motivando os jovens a experimentar. É a decadência dos valores morais da sociedade”, declarou.

O vereador Jorge de Jesus (PRB), nesta semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, considerou que elas não tem muito a festejar. Ele informou que o mês de fevereiro foi o mais violento, segundo o índice do Núcleo de Atendimento à Mulher-Nuam, de Macaé. Ele atribuiu a isso, também a crescente busca por ajuda. “Estive lá hoje, conversei com muitas delas e as vi chegando com olho roxo, ou com cabelos arrancados”, relatou.

Hoje, os vereadores da bancada do PT, Marilena Garcia e Maxwell Vaz, presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Macaé, com o apoio do presidente da casa, Eduardo Cardoso (PPS), juntamente com o prefeito Riverton Mussi (sem partido), estarão às 8h, na Cidade do Samba, bairro Santo Cristo, no Rio de Janeiro, para um encontro com o presidente Lula (PT). Na oportunidade lhe serão entregues um dossiê do conselho e uma carta reivindicando soluções emergenciais para o setor de segurança pública.

Também foi pauta da sessão: a divulgação da data da audiência pública sobre o Arquipélago de Santana, 17 de abril; a crítica ao atraso de recursos às instituições assistidas pela prefeitura, especialmente no setor de saúde; o pedido de reconhecimento pelo executivo dos autores de projetos de lei sancionados; reclamações quanto ao transporte público, ao futebol
profissional de Macaé, à iluminação pública, ao serviço dos caminhões limpa-fossa, à demora da liberação pela perícia técnica estadual dos corpos de entes às famílias e a sugestão de reativação da Comissão Permanente de Direitos Humanos para atender às famílias vítimas da violência.

Clique aqui e veja a fala dos vereadores inscritos no grande expediente.

Deixe uma resposta