Carlos Emir deixa a Câmara após dois meses de trabalho

O vereador Carlos Emir Mussi Júnior (PTB) participou de sua última reunião na Câmara na úl O vereador Carlos Emir Mussi Júnior (PTB) participou de sua última reunião na Câmara na última terça-feira. O parlamentar ocupou por dois meses e meio a vaga da petista Marilena Garcia que esteve de licença médica por conta de acidente doméstico onde fraturou costela e pé. O petebista foi alvo de homenagens de colegas. Visivelmente emocionado, Carlos Emir agradeceu a todos pelo companheirismo demonstrado durante sua estada na Câmara. “Quero agradecer pela maneira como fui recebido por todos desta Casa ao longo de minha passagem aqui. Eu sou um político jovem e pude perceber como é difícil o trabalho de um vereador. Contudo, vou continuar lutando e exercendo minha cidadania, pois pra isso não precisamos de mandato”, discursou. O perfil independente e coeso demonstrado por Carlos Emir na Câmara foi alvo de citações por outros vereadores. “Carlos Emir demonstrou votar com sua consciência: quando a favor, porque entendia assim; e quando contrário, da mesma maneira. Realizou, ainda quem em pouco tempo, um trabalho de excelência”, frisou Maxwell Vaz (PT), que também foi homenageado pelo colega. “Quero fazer menção especial ao Maxwell (Vaz) porque percebo que é um homem comprometido com a sociedade nas mínimas coisas. Esta sempre atento às situações que podem trazer, de alguma maneira, prejuízos para a população. É um vereador que honra a imagem da Câmara”, elogiou Carlos Emir. O vereador Jorge de Jesus (PRB) também fez questão de demonstrar companheirismo a Carlos Emir. “Trata-se de um político que tem muito futuro. Certamente, teremos oportunidades de trabalharmos juntos ainda pelo bem da população macaense”, ressaltou, tendo endossadas suas palavras por Luiz Fernando Pessanha. “Carlos Emir sempre foi um vereador participativo e interessado. Realizou um grande trabalho na Câmara”. Antes de deixar a Câmara, Carlos Emir conseguiu a aprovação de três projetos de leis de sua autoria: o primeiro trata da restrição à venda de fórmulas de medicamentos que contenham substâncias anorexígenas para emagrecimento; o segundo obriga que as empresas situadas no município com mais de 1000 funcionários possua um desfibrilador; e a terceira regulemanta o controle sobre a confecção de carimbos .

Deixe uma resposta