Conselho fala sobre denúncia de desvio de verba na merenda escolar

 <span style="font-size: 14px; text-align: justify;">Câmara recebe denúncias de desvio de verbas destinadas à merenda escolar.</span>

Denúncias de desvio de verbas destinadas à merenda escolar motivaram a presença do presidente do Conselho de Alimentação Escolar (CAE), Micael Gomes, na sessão da Câmara Municipal de Macaé desta quarta-feira (21). Uma cláusula no contrato da prefeitura com uma empresa privada, por dispensa de licitação, no valor de R$ 40 milhões, obriga o município a pagar à contratada 80% do valor destinado à compra de alimentos.
 

Micael informou que, ao saber desta cláusula, o conselho solicitou ao município informações a respeito. A legislação que rege a merenda escolar prevê apenas 64% da compra com a contratada, sendo reservados 30% para produtos da agricultura familiar e 6% para outras modalidades de pequenos produtores e comerciantes. “Até agora, porém, não obtivemos resposta. Também não nos foi informado como essa cláusula foi colocada no contrato”, afirmou o conselheiro.
 

“Estamos diante de um caso de desvio do dinheiro público”, disse Maxwell Vaz (SD), considerando que a prefeitura deveria descontar dos pagamentos à empresa a diferença entre os 64% e os 80%, e apresentar comprovantes desses descontos, conforme as solicitações do CAE. As verbas para a aquisição de alimentos são federais e ficam a cargo do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O valor é de R$ 4 milhões mensais, com participação de R$ 800 mil de recursos municipais.
 

O vereador Manoel Francisco (PR), o Manoelzinho das Malvinas, presidente da Comissão Permanente de Educação e Cultura, disse que recebeu documentação relativa aos problemas abordados. “Proponho uma nova vinda do conselho à esta Casa, após avaliarmos esses documentos”, afirmou.
 

A atual empresa é a mesma que prestava o serviço para o município em 2013 e foi alvo de denúncias sobre a falta de merenda nas escolas, o que resultou em audiência pública na Câmara. “Na ocasião, o Ministério Público Federal compareceu e acolheu as denúncias. A partir daí, não acompanhamos mais aquele caso, pois o papel do conselho cessa quando o processo é encaminhado à Justiça”, disse o presidente do CAE.
 

Falta de estrutura para os conselheiros trabalharem
 

Micael relatou que os conselheiros fazem um serviço voluntário e que o órgão, embora tenha sede adequada, não dispõe de estrutura básica como computador, máquina fotocopiadora e carro para as visitas dos conselheiros às escolas. “Pagamos táxi do nosso bolso para fazer as visitas. Há processos em que precisamos fotocopiar o equivalente a esta quantidade de folhas”, disse ele, mostrando uma resma de aproximadamente 500 folhas de papel A-4.
 

Outro conselheiro presente, Rogge Perfetti, falou sobre a proposta de implementar em Macaé a “escolarização da merenda”, ou seja, a licitação apenas do serviço, ficando a compra dos alimentos a cargo da escola. “Faremos uma experiência-piloto de escolarização da merenda numa escola do Sana”, afirmou.

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

 

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support