Degradação do Rio Macaé em debate no Legislativo

 <span style="font-size:14px;"><span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;">Rio Macaé: poluição, mau uso, omissão do poder público e seca comprometem o abastecimento.</span></span>

Ao votarem o Projeto de Lei do Eco IPTU, que beneficiará quem fizer uso sustentável da água, os parlamentares debateram a degradação do Rio Macaé nesta quarta-feira (14), na Câmara Municipal. O projeto foi aprovado com 12 votos favoráveis, um contrário e uma abstenção (clique aqui para ler a matéria). O autor da proposta, Igor Sardinha (PRB), havia começado sua argumentação falando da grave situação do Rio Macaé, “nosso principal recurso hídrico”, e da cultura de desperdício de água, na qual muitas pessoas ainda utilizam o líquido para lavar calçadas e carros, sem a menor consciência da necessidade de economizar.
 

Maxwell Vaz (SD) lembrou do requerimento que fez aos prefeitos dos demais municípios banhados pelo rio – Casimiro de Abreu, Rio das Ostras e Nova Friburgo – para que informassem o que estão fazendo para a preservação do rio. “Peço à Mesa um reforço para o envio dessas solicitações, não para os chefes de gabinetes, mas para os prefeitos, que são os representantes das cidades no Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Macaé”.
 

Nilton César (PROS), o Cesinha, observou que o mau estado do Rio Macaé se revela na captação feita pela Companhia Estadual de Águas e Esgoto (Cedae). “A Cedae capta mais areia do que água. É preciso fazer o saneamento do Rio de cima para baixo. Estive na Serra recentemente e vi um córrego… No passado era um pequeno rio, hoje é uma vala de esgoto”, lamentou.
 

Já o vereador José Prestes (PV), morador da Serra Macaense, disse que a dragagem do Macaé causou grande degradação também à fauna. “Hoje, não se veem mais capivaras e jacarés no rio. Eu atravessava o rio a cavalo e a água quase cobria o animal. Hoje, é possível passar quase a seco. Só se vê areia”.
 

Luciano Diniz (PT) lembrou que na taxa da Cedae é cobrado um valor para o Fundo Estadual dos Recursos Hídricos. “Esses recursos poderiam ser utilizados para fazer o desassoreamento, além de inibir, perto do rio, construções irregulares, que despejam areia nesses mananciais e, ainda, criações de animais cujos dejetos agravam o problema do esgoto derramado nas águas”. Ele lamentou os entraves para que os recursos do fundo sejam utilizados na bacia do Rio Macaé.
 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support