Economia: Câmara devolve 3,5 milhões à Prefeitura de Macaé

Foto:Tiago Ferreira

O presidente Eduardo Cardoso falou também sobre os investimentos previstos para 2018

Os cortes nas despesas e a implantação de medidas para aumentar a eficiência administrativa permitiram que o Legislativo economizasse R$ 3,5 milhões do seu orçamento de 2017. Esse recurso será devolvido à Prefeitura de Macaé, seguindo a política do presidente Eduardo Cardoso (PPS), que, nos últimos cinco anos, devolveu R$ 42,5 milhões ao município.

O presidente lembra que, devido à crise econômica, o orçamento de 2017 teve uma queda de aproximadamente R$ 7 milhões com relação ao ano anterior. “Mesmo com menos dinheiro em caixa e com o pagamento de reajuste e abono aos servidores, conseguimos economizar R$ 3,5 milhões.”


Novos investimentos

Para o diretor geral da Câmara, Gabriel Peçanha, o desafio agora é conciliar a política de redução de gastos com novos investimentos. No primeiro semestre de 2018, está prevista a implantação de um sistema eletrônico de votação e controle de presença dos vereadores. “A ideia é tornar as sessões legislativas ainda mais transparentes para a população”, explicou Gabriel.

Outro investimento previsto para este ano é a primeira obra de manutenção da nova sede do Legislativo, inaugurada em 2012 no bairro Virgem Santa. Até julho de 2018, também é aguardada a inauguração da Biblioteca, do Museu e da Escola do Legislativo, que funcionarão no mesmo espaço, na sede histórica localizada no Centro de Macaé. “Estamos fazendo adequações no prédio antigo para atender às demandas atuais”, acrescentou o diretor.

A Escola do Legislativo já vem funcionando desde novembro de 2016, mas ainda sem sede própria. Com as novas instalações será possível ampliar a oferta de cursos e o número de vagas. A ideia é criar uma agenda anual e fortalecer parcerias como a que foi feita em 2017 com a Escola do Legislativo do Estado do Rio de Janeiro (Elerj). E ainda fomentar novas parcerias como a que está sendo firmada com a Escola de Contas e Gestão do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (ECG/TCE-RJ).

Por fim, há ainda projetos de implantação de sistemas eletrônicos internos que vão otimizar tempo e recursos, como a intranet e o protocolo digital – ambos em fase final de implementação.

Jornalista: Adriana Corrêa

Deixe uma resposta