Horário integral nas escolas foi destaque em audiência



A Educação foi amplamente discutida durante a segunda audiência p&uacu

A Educação foi amplamente discutida durante a segunda audiência pública do Orçamento 2008, no último dia 30, no plenário da Câmara. A princípio, a prefeitura iniciará, no próximo ano, o projeto de horário integral em 60 das 113 escolas planejadas para o município. A sociedade civil organizada e a população presente teve a chance e esclarecer dúvidas e trocar informações com as autoridades presentes.

O presidente da Associação de Moradores da Virgem Santa, Jorge Vieira, reclamou que o sistema de horário integral não será implantado na Escola Municipal Severino Teotônio de Luna e em outras escolas por falta de estrutura. “Seria muito bom se pudesse implantar, porque os pais precisam. Tem crianças que ficam trancadas por 10 a 12 horas, sozinhas em casa, enquanto os pais vão trabalhar”, lamentou. Ele questionou se haverá verba para adequar as escolas que ainda não dispõem de estrutura.

A representante da secretaria de Educação, Gelda Tavares Rodrigues, afirmou que para o primeiro ano em que a lei do novo horário começa a vigorar, o número de 60 escolas é bom. “Estamos indo aos poucos para chegar até as 113 escolas. Tentamos distribuir as escolas contempladas da melhor maneira possível para atender a população”, disse.

Ela afirmou que, para 2008, se for implantar o horário integral na Escola Municipal Severino Teotônio de Luna só será possível, de início, atender a educação infantil. “Por enquanto não conseguiremos implementar o horário integral para as turmas de primeira a quarta série”.

O representante do Fundo Anti-drogas, Hélio Lessa, pontuou que a escola não pode ser uma questão de bairro: “temos que ter transporte adequado para conduzir os estudantes a um bairro mais longe, se for preciso. Escola não é para um ano. É para quatro ou mais”, defendeu.

O professor, Elielson Barros, da Escola de Pescadores, lembrou que manter os estudantes o dia inteiro na escola exige uma estrutura especial para que o sistema possa vingar: “A escola de pescadores funciona em sistema integral desde 2003. Temos enfrentado muitos problemas, também de ordem didática, mas o maior é de estrutura. Minha preocupação é com a necessidade de espaços adequados para a realização de atividades, aulas, oficinas, prática de esportes…porque, do contrário, não passará de um projeto medíocre de horário integral”, afirmou.

Gelda justificou, que por razões de estrutura, é que não se pode iniciar o projeto de uma só vez nas 113 escolas. “Temos que começar bem e depois ampliar”, declarou. E acrescentou: “vamos precisar de ajuda do Adrian”, disse, se referindo ao secretário especial de Infra-Estrutura Urbana, cuja secretaria concentra todas as maiores ações do governo. Esta engloba as secretarias executivas de Obras (Tadeu Campos), Serviços Públicos (Delorme Ramos), Guarda Municipal (Antônio Franco), Transporte e Trânsito (Lúcio Aracati) e de Interior (Carlos Eduardo Jardim). Com a criação destas secretarias executivas, ficou determinado que seriam extintas a Macaé Trânsito e Transporte (Mactran) e a Guarda Municipal, que funcionavam como autarquias.

Deixe uma resposta