Lagomar: decisão judicial é debatida na Câmara



 <span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;"><span style="font-size:14px;">Esta foi a segunda audiência para tratar do tema realizada neste mês</span></span>

Apesar de ser uma decisão judicial que não pode deixar de ser cumprida, a remoção de cerca de 4 mil pessoas de suas casas, nas ruas W-30 e MPM, no Lagomar, é inviável. Essa foi a conclusão da audiência pública realizada na noite desta quarta-feira (8), na Câmara Municipal de Macaé, com a presença de cerca de 130 moradores. “As famílias não estão obrigadas a sair de suas casas”, disse o vereador Amaro Luiz (PSB), que presidiu a sessão. Segundo o vereador, a sentença prevê a remoção somente após indenização em dinheiro.

 

“Ninguém será retirado de sua residência, nem haverá demolição de imóveis habitados”, afirmou a secretária de Habitação, Alessandra Aguiar. De acordo com Leonardo Lessa, advogado dos moradores, a prefeitura não tem condições de arcar com a sentença. “Além das indenizações, haverá gastos com as demolições dos imóveis, a retirada do entulho e a sua destinação”.

 

A secretaria está oferecendo aos que quiserem abrir mão da indenização uma moradia em um conjunto de apartamentos no Bosque Azul. Porém, a maioria rejeita a proposta. “Queremos ficar nas nossas casas e, se quiserem nos tirar, haverá um massacre”, declarou o Rogério Oliveira, dando o tom tenso que marcou toda a audiência. Cleiton Bastos, da comissão que representa os moradores, informou que, devido às fossas sépticas, a área não apresenta mais as condições de reserva ambiental.

 

As ruas W-30 e MPM são área de amortecimento do Parque Nacional de Jurubatiba. A expropriação foi decidida em 2008, quando, segundo Cleiton, havia cerca de 80 construções no local, sendo que hoje são aproximadamente 900. Apesar da inflexibilidade da Justiça, são apresentadas outras opções à remoção, como a criação de uma cooperativa da comunidade para proteger o parque, ou a indenização da prefeitura sendo paga diretamente à União.

 

Comissão de vereadores e reunião com o ICMBio

 

Igor Sardinha (PRB) propôs uma reunião a ser agendada entre uma comissão de vereadores, o deputado federal Hugo Leal (PSB) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pelo parque. A ideia é elaborar alternativas a serem apresentadas ao Judiciário.

 

Os outros vereadores presentes à audiência foram Marcel Silvano (PT), Luciano Diniz (PMDB), Manoel Francisco (PPS), o Manoelzinho das Malvinas, Jocimar de Oliveira (PMDB), o Boca, e Júlio César de Barros (PMDB), o Julinho do Aeroporto, além do presidente Eduardo Cardoso (PPS). Estiveram presentes, ainda, representantes da Associação de Moradores do Lagomar e o subsecretário municipal do Meio Ambiente, Henrique Abrahão Charles, além de outras entidades.

 

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support