Legalização do aborto é tema de audiência pública na Câmara de Macaé

 <span style="font-size:14px;"><span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;">População debate polêmico tema. Vereador planeja apresentar carta de repúdio ao projeto</span></span>

Após solicitação do vereador Manoel Francisco (sem partido), o Manoel das Malvinas, a Câmara de Macaé realizou, na noite da última quinta-feira (19), audiência pública para debater a legalização do aborto. No plenário, opiniões baseadas na Constituição e em movimentos religiosos se contrapuseram aos de movimentos sociais por quase duas horas.
 
 
“Este é um assunto de âmbito nacional, mas que não nos impede de debater e ouvir. Sou totalmente a favor da vida, mas é preciso dar voz a quem pensa diferente. Tenho as minhas convicções e os debates precisam continuar”, defendeu Manoel. O vereador participará de encontros no Congresso Nacional e espera entregar uma carta de repúdio ao projeto que legaliza o aborto.
 
 
A convite do parlamentar, o encontro contou com a participação do presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Clínicas de Aborto da Alerj, o deputado estadual Jânio Mendes (PDT), além do vereador Júlio César de Barros (PPL), o Julinho do Aeroporto, representantes de entidades religiosas, sociedade civil organizada e da Comissão da Criança e do Adolescente da OAB Macaé, composta por quatro

 advogadas.
 
 
“As clínicas clandestinas são verdadeiros matadouros. A CPI, com apoio da Polícia Militar, conseguiu desarticular trabalho de cinco clínicas espalhadas pela capital e que lucraram R$ 5 milhões por mês, realizando abortos ilegais. Finalizamos os trabalhos da comissão e, na próxima semana, o relatório será apresentado na Alerj”, acrescentou Jânio.
 
 
Júlio César de Barros fez coro às declarações do deputado, enquanto as representantes da OAB ressaltaram que é dever do Estado assegurar o cumprimento das leis. “Também somos a favor da vida. Há casos em que a interrupção da gravidez é legal, se colocar em risco a saúde da mãe, o feto for diagnosticado com anencefalia ou abuso sexual. A mãe que se declarar incapaz de cuidar do filho pode entregá-lo para adoção. Há alternativas”, ponderou a advogada Lia Crisóstomo.
 
 
“Hoje, nos deparamos com um Congresso Nacional que está retrocedendo direitos das mulheres. É preciso deixar bem claro que não desejamos banalizar o aborto, mas cabe à mulher a decisão final. O governo deve investir na educação, na prevenção e no acompanhamento médico. No Uruguai, pro exemplo, o número de abortos caiu drasticamente depois da legalização, pois passou-se a lidar com a questão de maneira séria e responsável”, ponderou a representante do Coletivo Harmonia, Livia Campos.
 
 
“Sou mãe, amo meus filhos, tenho apoio do meu esposo, mas há inúmeros casos diferentes. É preciso refletir e respeitar a mulher, sem preconceito. Estamos tratando de políticas públicas que não devem ser influenciadas por qualquer religião”, disse a pedagoga Raquel Petersen, declarando ser favorável ao projeto que legaliza o aborto.
 
 
Durante a audiência, os presentes assistiram a um documentário sobre o tema e, a pedido do vereador Manoel, todos os cartazes a favor e contra o projeto foram lidos para facilitar compreensão de quem acompanhava o ato pela internet, além de formalizar registro em ata oficial.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Jornalista: Júnior Barbosa
&nbsp;

 

 

 

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support