Legislativo e Executivo unidos contra a violência



Em virtude da divulgação pela mídia do estudo da Secretaria Nacional

Em virtude da divulgação pela mídia do estudo da Secretaria Nacional de Segurança Pública, que aponta Macaé em 5º lugar em homicídios de jovens entre 15 e 24 anos, vereadores estiveram reunidos com o prefeito Riverton Mussi (sem partido) para discutir ações conjuntas entre executivo e legislativo com o intuito de reverter o grave quadro apresentado no setor de segurança pública. Uma nota oficial à população e um documento, que será entregue ao secretário estadual de segurança pública, José Mariano Beltrame, na próxima segunda-feira, dia 5, foram produtos desta reunião.

Uma comitiva formada por cerca de 40 representantes do poder público e da sociedade civil organizada irá à Secretaria de Segurança Publica, no Rio de Janeiro, onde acontecerá, às 9h30 min, uma audiência com Beltrânio. Na ocasião o secretário também receberá um dossiê do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Macaé. Vereadores, assessores e integrantes do conselho se encontrarão em frente à Câmara Municipal, de onde partirão em microônibus, às 6h. Deputados foram convidados para integrar a comitiva.

O movimento “Câmara em Ação” com o apoio do executivo municipal, pretende retornar ao Rio de Janeiro, na quarta-feira, dia 7, para promover uma manifestação à favor da segurança pública em Macaé, no “Sambódromo”, às 10h, quando presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) estará participando de uma passeata contra a feminização da Aids e contra a violência.  “Macaé é um município de exceção, precisamos cobrar um tratamento como tal”, disse a vereadora Marilena Garcia (PT).

O presidente da Câmara, Eduardo Cardoso (PPS) considerou “É hora de demonstrarmos nossa indignação”. O prefeito, concordando com o presidente do legislativo,  informou que, somente no Cemitério da Igualdade, de 2005 a janeiro deste ano, foram sepultados 115 vítimas de homicídio. “O município quer colaborar com a segurança pública. Adquirimos mais 13 câmeras de segurança, construiremos seis portais nas áreas de fuga da cidade e a Delegacia Legal. Mas o município precisa do apoio das polícias, que estão pouco integradas e em condições precárias de trabalho”, declarou.

O secretário de governo e vice-presidente do conselho de segurança, André Braga, atribuiu a crise atual à politização da segurança pública do estado durante os governos de Antony Garotinho e Rosinha Mateus. O presidente do conselho, vereador Maxwell Vaz (PT) disse que é preciso dar uma resposta imediata à população que se encontra chocada. Também estiveram presentes à reunião, que teve início às 12h50, no gabinete do prefeito, os vereadores Jorge de Jesus (PRB) e Júlio César de Barros (sem partido).

 

Deixe uma resposta