Líder do Governo defende reconhecimento de união homo-afetiva



O líder da bancada do governo na Câmara, Paulo Antunes (*PMDB), solicitou &ag

O líder da bancada do governo na Câmara, Paulo Antunes (*PMDB), solicitou à Mesa Diretora que inclua no expediente, logo após o recesso plenário, seu projeto de lei que dispõe da equiparação de direitos previdenciários de servidores municipais que mantém relação homo-afetiva estável, apresentado no biênio anterior. Desde o dia 1º desse mês, a Petrobras passou a reconhecer a união de parceiros do mesmo sexo no plano de saúde da empresa. O casal homossexual terá os mesmos direitos de usufruir os benefícios que os heterossexuais.

O reconhecimento de parceiros em uniões homo-afetivas é um compromisso da companhia quanto ao tema diversidade, previsto no Código de Ética da empresa, alinhado aos princípios constitucionais de igualdade, dignidade e não-discriminação e, ainda, à estratégia corporativa de responsabilidade social.

O projeto do vereador gerou polêmica no plenário, quando foi apresentado, e acabou não sendo aprovado, com sete votos contra e seis a favor. Entretanto, Antunes considera que, agora, a discussão sobre o tema está mais adiantada em nível nacional. “Sou contra o preconceito e ao racismo. Temos que dar oportunidades iguais", disse. O vereador, nesta causa, recebe o apoio da líder da bancada do PT, Marilena Garcia.

A Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (nº 11.340), que recebeu o nome da farmacêutica Maria da Penha Maia, sancionada no dia 7 de agosto do ano passado, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, inclui os casais homossexuais nos casos previstos pela lei. Esse fato foi considerado um grande avanço no país sobre o tema. No município do Rio de Janeiro, desde 5 de março, os parceiros homossexuais de servidores públicos passaram a ter assegurado o direito de receber pensão por morte. Por outro lado, a lei estadual (4320/2004) que trata de benefícios previdenciários em contexto de relação homo-afetiva foi considerada inconstitucional, pelo Órgão Especial por maioria de votos, justificada por vício de iniciativa – uma vez que a emenda que trata da equiparação de direitos de parceiros do mesmo sexo foi vetada pela então governadora Rosinha Garotinho (PMDB).

*filiação não formalizada.

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support