Luiz Fernando convoca comissão para combater falta d’água



Durante a sessão ordinária desta quarta, dia 7, o vereador e vice-líd

Durante a sessão ordinária desta quarta, dia 7, o vereador e vice-líder do governo na Câmara, Luiz Fernando Pessanha (PMDB), solicitou que fosse formada uma comissão para combater o problema da falta de água em Macaé, com ele na presidência. O grupo formado, após requerimento do vereador, e aprovado em plenário, irá ao Rio de Janeiro e também entrará em contato com o responsável regional da Cedae, Marco Túlio. A comissão terá como presidente o vereador, Luiz Fernando, e como membros os vereadores, Marilena Garcia (PT), José Carlos Crespo (PTN), Jorge de Jesus (PRB); e como suplente o vereador, Maxwell Vaz (PT).

Luiz Fernando fez uma denúncia relativa a uma visita que fez, na última terça, dia 6, ao bairro Barramares: “a Cedae não resolve a questão da ligação da tubulação e as pessoas têm que pedir caminha pipa, toda semana, para abastecer suas casas”, contou. O vereador afirmou que os moradores estão recebendo água contaminada: “é estado de calamidade pública. A Cedae não tem um ‘ai’ nos seus estoques para concluir o serviço e as pessoas receberem água potável em suas casas. É um absurdo os moradores continuarem gastando de R$400 a R$600, por mês, com caminhão pipa. As crianças podem, também, contrair uma hepatite ou outras infecções”, alertou.

“Eu venho batendo nisso aqui, há três anos, e nada se resolve”, lamentou Luiz Fernando, dizendo, ainda, que as pessoas que fazem gato não querem o gato: “elas querem água potável em suas casas”. Ele chamou atenção para o fato de o verão não ter sequer começado, mas já faltar água em Macaé.

O vereador, Pedro Reis (PSDB), fez uma parte à fala do vereador e disse que o superintendente da Cedae demonstrou boa vontade, mas ele declarou não saber se o responsável dispõe de recursos para solucionar a questão.

Luiz Fernando informou que a caixa d’água no Morro Santa Mônica está para ser concluída há mais de 10 anos. “Tem 12 anos que aquela obra começou e ainda não foi concluída. A Cedae está sucateada”, disse. O vereador demonstrou sua preocupação, destacando o crescimento acelerado de Macaé: “tem que ter infra-estrutura para as pessoas residirem aqui. O bairro Lagomar, por exemplo, é o maior de Macaé. Hoje, há 40 mil habitantes lá e uma mudança nova por dia. Mas nem sequer 10 mil votantes no município”, lamentou.

O vereador, Jorge de Jesus (PRB), também fez uma parte à fala de Luiz Fernando. “O prefeito, Riverton Mussi (PMDB), tem a intenção de pegar a água para a prefeitura”, enfatizou. Porém, reclamou que o governador não tem ajudado o prefeito e, tampouco,  honrado com suas promessas.

José Carlos Crespo (PTN), por sua vez, informou que em 1998, foi aprovado, na Casa, uma matéria para a prefeitura assumir o controle da água. “Depois do prazo determinado, o prefeito notificou a Cedae, que exigiu uma indenização pelo patrimônio que ela acha que construiu. Esse caso foi parar na justiça”, declarou.

O vereador e primeiro secretário da Câmara, Maxwell Vaz (PT), acrescentou que ainda há água no Rio Macaé, porém futuramente poderá não ter. “O que falta, agora, são sete quilômetros de tubulação, o que custa 12 milhões de reais em materiais”, informou. Ele disse que começou a tentar alternativas: “conversei com a diretoria de interior da Cedae e fiz uma proposta: se os grandes consumidores adiantarem esse dinheiro, para depois ser descontado na conta de água, é possível a Cedae fazer esse convênio, com a Petrobras?”. A resposta foi afirmativa.

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support