Maioria rejeita emenda para fixar reajuste dos servidores da prefeitura



 <span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">Por 10 votos a 6, a emenda à Lei Orgânica,&nbsp;</span><span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">do vereador Igor Sardinha (PRB),</span><span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">&nbsp;foi rejeitada.</span>

Por 10 votos a 6, a Câmara Municipal de Macaé rejeitou uma emenda à Lei Orgânica do vereador Igor Sardinha (PRB) com objetivo de fixar o dia 15 de março como data limite para o envio de proposta de reajuste anual dos servidores da prefeitura. A votação aconteceu na sessão desta quarta-feira (14) e, para ser aprovada, a proposta precisaria de 12 votos.
 

Durante defesa da emenda, Igor disse que é preciso regulamentar a prática do reajuste salarial. “É um direito constitucional. Mesmo que não seja possível dar um aumento, o governo seria obrigado a enviar justificativa para que esta Casa pudesse debater o posicionamento”.
 

Em caso de não cumprimento do prazo, automaticamente a prefeitura seria obrigada a dar o reajuste com base na inflação do ano anterior. “A Câmara não tira a liberdade da prefeitura ao votar uma iniciativa como essa. Estamos em dezembro e o servidor do Executivo até hoje não recebeu uma resposta sobre o reajuste deste ano”, acrescentou.
 

“Voto favoravelmente porque é um projeto com fundamento e que cria uma rotina administrativa”, frisou Maxwell Vaz (SDD).
 

Chico Machado (PDT) reforçou as falas da bancada de oposição e foi seguido por Marcel Silvano (PT). “O governo não pode tratar o servidor com desrespeito. Também voto pela aprovação porque o prefeito precisa se posicionar, mas que seja para enviar uma justificativa quando entender que um aumento não será possível”, frisou.
 

Líder do governo, Júlio César de Barros (PMDB), o Julinho do Aeroporto, leu o parecer do corpo técnico do Legislativo que apontou ser de competência exclusiva do prefeito a medida. “Por isso, votarei contra e oriento que os demais vereadores acompanhem meu voto, pois esta emenda é inconstitucional”, defendeu.
 

Antes da votação, o presidente Eduardo Cardoso (PPS) reforçou o discurso de Julinho. “Esta é uma matéria de cunho político e está juridicamente prejudicada. Não podemos passar por cima da responsabilidade do prefeito”, concluiu.

 

Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support