Moradores do Lagomar protestam contra expropriação



Chefe do Legislativo sugeriu realização de nova audiência pública

Cerca de 100 moradores compareceram à Câmara Municipal de Macaé, para a audiência pública realizada nesta quinta-feira (19/5) sobre a situação das ruas W 30 e MPM no Lagomar. “Estamos convivendo com erros ocorridos desde 2002, quando se iniciou este processo. O impacto da remoção dessas 1.000 famílias, cerca de 5 mil pessoas, será enorme”, disse Cleyton Bastos, da comissão de moradores das duas vias – uma zona de amortecimento do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, com expropriação judicial decidida em 2008.

 

A audiência foi presidida pelo vereador Amaro Luiz (PSB), que lamentou a ausência de representantes da Secretaria da Habitação. Participantes do evento disseram que estão sendo pressionados por agentes da secretaria a se cadastrarem num processo de transferência para apartamentos, no Bosque Azul. “O Executivo foi condenado a atender à exigência da Justiça Federal que é de indenização e não de remoção das pessoas”, disse Amaro.

 

“Tenho informações de que a ausência da secretaria e da procuradoria do município foi trabalhada durante o dia de hoje (19) para que não houvesse representantes nesta audiência”, afirmou Eduardo Cardoso (PPS), presidente da Casa. Foram convidados também representantes do Ministério Público Federal e do juiz da sentença, que também não compareceram. “Apesar do prazo curto, já que a audiência foi aprovada na quarta (18), é lamentável. Era urgente ouvirmos a população sobre essa pressão da secretaria”, disse Amaro.

 

Eduardo sugeriu a realização de uma nova audiência, o quanto antes, convocando regimentalmente representantes da prefeitura. A proposta recebeu apoio de todos os presentes. Foi marcante o protesto de Roberta Viana Rodrigues, também da comissão de moradores. “Não somos invasores. Quando meu pai chegou no Lagomar, há 25 anos, a área não era de amortização. Mesmo depois da criação da zona, o poder público na época não impediu ninguém de construir no local. Esse foi o maior erro. E agora querem nos tirar de lá, onde temos nossa vida e nossa história”.

 

Cooperativa de eucaliptos é alternativa à remoção

 

Foram muitas as queixas dos moradores – destacando-se a pressão da secretaria, que Amaro chamou de “terrorismo” – e as alternativas propostas à sentença. Houve protestos quanto à piora da qualidade de vida que seria mudarem-se de suas casas para apartamentos. Uma opção seria que fosse permitida a permanência das pessoas. Elas montariam uma cooperativa de plantio e venda de eucaliptos, gerando renda e formando um “muro verde” para impedir novas construções. Segundo Cleyton, atualmente, há 900 construções no local.

 

Os vereadores Luciano Diniz (PMDB), Júlio César de Barros (PMDB), o do Julinho do Aeroporto, Maxwell Vaz (SD), Igor Sardinha (PRB), Manoel Francisco (PMDB), o Manoelzinho das Malvinas, Jocimar Oliveira (PMDB) e Welberth Rezende (PPS) também participaram da audiência, além da presidente da Associação de Moradores do Lagomar, Suely de Oliveira Cardoso, e do secretário da entidade, André Carvalho.

 

 

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support