Música, capoeira, exposição e palestra marcam evento Africanidade

Foto:Ivana Gravina

Atividades atraíram público variado no Centro Cultural do Legislativo

No fim da tarde desta quarta-feira (6), o Africanidade animou a Praça Gê Sardenberg com a Orquestra Popular de Macaé e a roda de Capoeira do Mestre Kiko, em frente à sede antiga da Câmara, no Centro Cultural do Legislativo. À noite, a palestra “Identidade Negra”, da escritora, poetisa e sindicalista Conceição de Maria, contribuiu para a reflexão sobre a autoestima dos negros na luta contra o racismo.

O regente da orquestra, Bruno Py, e demais integrantes, além de sucessos populares do início do século 20, apresentaram repertório diferenciado. “Tocamos músicas recém-editadas, a partir de arranjos do próprio punho de Pixinguinha”.

O Grupo Macaé Capoeira (GMac), liderado por Valdemir Basílio Miguel, o Mestre Kiko, existe há 15 anos no Parque Aeroporto. “Nosso objetivo é tirar o jovem da rua para que ele seja o cidadão do amanhã”.  Música e capoeira atraíam pessoas na volta do trabalho enquanto, no prédio, o público apreciava a exposição Sorriso Negro, do fotógrafo Luiz Bispo, com imagens de crianças.

As fotos integram o acervo itinerante do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF). Coordenadora de Formação da entidade, Conceição de Maria comentou: “No adulto, o racismo já deixou marcas muito intensas. Na infância, a autoestima é espontânea. Nossa mostra percorreu, desde 2014, muitas escolas, levando esta mensagem de identidade negra”.

Palestra

“Qual é o pente que te penteia?: Identidade feminina da mulher negra macaense” foi o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da pós-graduação que Conceição fez pela Fundação Educacional de Macaé (Funemac), e que embasou a palestra.

No TCC, ela entrevistou mulheres e fez pesquisa em rótulos de shampoos. “Uma das entrevistadas, quando perguntei o que pensava sobre seus cabelos, não parava de chorar, pois ele tinha sido o objeto de muitas violências que ela sofreu”.

Nos produtos capilares, a escritora criticou palavras como “rebeldes” e “desobedientes” nas referências aos crespos, bem como “disciplinar” como qualidade atribuída aos condicionadores, preconceitos implícitos na linguagem mercadológica.

Conceição lembrou que o empoderamento e o orgulho dos negros com relação aos cabelos tiveram início no movimento Black Power, nos EUA, a partir dos anos 60.

“Hoje, vivemos uma nova etapa em que muitos negros e negras deixam seus cabelos ser como são e como eles querem que sejam, com orgulho, mas no âmbito político temos vivido retrocessos”. Ela citou como exemplos o assassinato da vereadora Marielle Franco, as crescentes críticas à política de cotas, e a extinção, na administração macaense, de estruturas que garantiam ações contra o racismo. 

Imagens da exposição “Sorriso Negro”, de Luis Bispo. (Foto: Ivana Gravina)
Apresentação da Orquestra Popular de Macaé. (Foto: Ivana Gravina)
Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support