No Sana, unidades de saúde apresentam diversos problemas estruturais

Foto:Ivana Gravina

A unidades enfrentam problemas como falta de materiais, refrigeração e manutenção nos locais de atendimento

Nesta sexta-feira (11), o vereador Márcio Bittencourt (MDB) esteve no Sana e na Cabeceira do Sana, localidades da Região Serrana, para visitar as três unidades de saúde que atendem a população. Além de problemas estruturais, os postos estão com serviços limitados por falta de materiais e equipamentos básicos para emergência e consultas.

As visitas fazem parte do relatório que a Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores vem elaborando para cobrar providências junto à administração municipal. “Algumas situações são absurdas e estão se agravando com o tempo. Seguiremos empenhados para que o prefeito tome as medidas necessárias”, disse Márcio.

O primeiro local visitado foi a Unidade Mista de Saúde do Sana. O imóvel não possui refrigeração e muitos atendimentos são cancelados em dias quentes. Apesar de haver salas adaptadas para atendimentos de urgência, não há desfibrilador e nem equipamento para eletrocardiograma. Algumas paredes estão com infiltração e a rede elétrica apresenta avarias.

A unidade funciona 24 horas, mas a ambulância não está adaptada para ser uma UTI móvel, além de ter vidros quebrados e vazamentos. Nos casos mais urgentes, o paciente poderá sofrer complicações. Isso porque as vias que dão acesso ao distrito não são asfaltadas e os buracos atrasam ainda mais o trajeto de 80 quilômetros até o centro urbano.

Para que os funcionários consigam chegar ao setor administrativo, é preciso subir uma escada de madeira que está desgastada e com degraus rachados. A cadeira odontológica está quebrada e sem mobilidade para ser adaptada de acordo com as necessidades do paciente e do dentista.

Ao lado, funciona a Estratégia de Saúde da Família (ESF), em imóvel alugado. O local não possui sala de curativo e nem de vacina por falta de sistema de refrigeração adequado. Os atendimentos da fisioterapia também estão limitados por falta de materiais.

Logo após, a comissão seguiu em direção à Cabeceira do Sana. A localidade conta com uma ESF que disponibiliza atendimento médico, além de coleta de exames laboratoriais uma vez por semana. Também não há fornecimento de vacinas para os moradores. Com vazamentos no esgoto e na fossa, a sala da recepção está desativada há anos, assim como a farmácia.


Problemas na distribuição de fraldas geriátricas

Nas três unidades visitadas, Márcio confirmou que não há entrega de fraldas geriátricas. Em caso de necessidade, é preciso que o paciente ou um familiar se dirija até o Centro para requisitar junto à farmácia municipal. “No ano passado, aprovamos um requerimento para que a prefeitura disponibilize as fraldas em todos os postos. Do jeito que está, complica muito a vida do cidadão”, frisou Márcio.

Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta