Novo portal da Câmara: mais transparência e proximidade com o cidadão

Foto:Imagem reprodução

Com o propósito de ampliar a participação popular e a transparência nas ações do Legislativo, a Câmara Municipal de Macaé colocou no ar seu novo portal. Além de um visual mais moderno e de fácil utilização, o site promove a democratização do acesso à informação, permitindo que o seu conteúdo também seja acessível a tablets, smartphones e diversos tipos de configurações de computadores.

Dentre os novos recursos do portal está o “Fale com o vereador”, que permite ao cidadão enviar uma mensagem direta para cada parlamentar. A galeria de fotos e vídeos traz o armazenamento dos eventos institucionais, tornando possível assistir a uma sessão, audiência pública ou outro evento na data e horário mais conveniente para o usuário.

As sessões legislativas e as audiências públicas continuam sendo transmitidas ao vivo no novo site, só que com maior qualidade de imagem. O Portal da Transparência também foi ampliado, possibilitando ao macaense acompanhar as atividades do Legislativo e solicitar informações adicionais sobre quaisquer assuntos.

No link Ouvidoria, agora o cidadão pode enviar fotos, vídeos e arquivos de texto com informações ou denúncias sobre qualquer assunto de interesse público na cidade. A produção dos vereadores e legislações do município também já estão disponíveis no site. E com o novo sistema de busca, ficou ainda mais fácil encontrar o que o internauta procura, pelo nome do vereador, ano, tipo de projeto ou assunto.

“O novo portal foi pensado para aproximar a população ao Legislativo, de modo a facilitar e incentivar a participação dos cidadãos”, informou o diretor da Câmara Municipal de Macaé, Gabriel Peçanha. Por isso, os programas institucionais que estimulam a interatividade ganharam maior destaque e já estão sendo estudadas formas para o seu aperfeiçoamento e ampliação.

O próximo passo é a criação de uma intranet, um sistema de comunicação interno que trará mais agilidade, organização e economia ao serviço público, já que dispensa o uso de impressora, arquivos físicos e papel.

 

Jornalista: Adriana Corrêa

Deixe uma resposta