Novo pronto-socorro infantil em pauta

Foi aprovada na sessão ordinária da última terça-feira, dia 22

Foi aprovada na sessão ordinária da última terça-feira, dia 22, por 10 votos favoráveis e nenhum contrário a indicação 350/07, do vereador Chico Machado (sem partido) que dá o nome do médico pediatra e ex-vereador, José Paulo Mendonça, falecido há dois anos, ao futuro Pronto Socorro Municipal Infantil. A construção dessa unidade foi solicitada por Júlio César de Barros (sem partido), por meio da indicação 142/07. Segundo Chico Machado, o prefeito Riverton Mussi (sem partido) pretende construir o novo pronto-socorro no prédio do antigo fórum.

A indicação de Julinho do Aeroporto, que foi aprovada em março, fazia a solicitação ao prefeito em caráter de urgência. Ele justificou o pedido, considerando o elevado número de atendimentos mensais, mais de seis mil por ano, na atual unidade pediátrica, e também, a necessidade de instalações mais adequadas a esse tipo de prestação de serviço. De acordo com Chico Machado, o prefeito, em diversas oportunidades, teria manifestado a intenção de obter, por meio de regime de comodato, a cessão do prédio do antigo fórum para o empreendimento.

Pedro Reis (PSDB), que foi secretário municipal de saúde por oito anos na gestão anterior, elogiou não somente a possibilidade de uma nova unidade pediátrica, como também: sua localização; a homenagem póstuma ao Dr. Mendonça, e, especialmente, a possibilidade de que o local, onde está atualmente instalada a unidade pediátrica municipal, volte a ser utilizado como asilo e, ainda, que o Hospital Madre Teresa de Calcutá retorne a prestar atendimento exclusivo aos idosos residentes. “Isto aponta para uma luta nossa, há mais de 20 anos, em favor dos idosos. Mesmo estando à frente da Secretaria de Saúde e sendo apaixonado pela causa, não conseguimos esse resgate. Essa arrumação do sistema vem trazer justiça, além da honraria ao Dr.Mendonça”, discursou o vereador. Marilena Garcia (PT) também parabenizou a homenagem e a intenção do governo municipal.

Júlio César de Barros, além de destacar sua indicação, durante o grande expediente, comunicou que apresentará em plenário um requerimento solicitando que o município faça uma parceria como o Instituto Médico Legal-IML. O vereador apontou que o órgão estadual está tratando as famílias que perderam um ente querido de forma desumana. “Se chegar às 18h, o corpo só será liberado no dia seguinte, após as 10h”, criticou. Ele afirmou que quando existia convênio com a prefeitura para o serviço de necropsia, os corpos eram liberados na mesma noite.

Luiz Fernando Pessanha (sem partido) destacou que, em 2005, foi aprovado o projeto de lei 012/05, de sua autoria. O projeto dispõe da criação de um Serviço de Verificação de Óbitos e autoriza o Executivo a empreendê-lo por meio de convênios: com o Instituto Médico Legal-IML; com o Sistema Único de Saúde-Sus, através da Secretaria Municipal de Saúde, e com rabecão, pela Secretaria de Promoção Social. O serviço deveria estar disponível 24h por dia e seria implementado com assistência social. O vereador atenta que o projeto de lei é voltado para óbitos cuja causa mortis seja morte natural.

Deixe uma resposta