Novos posicionamentos políticos do Legislativo e Executivo

O líder do governo, Paulo Antunes (sem partido), na sessão de ontem na C&aci

O líder do governo, Paulo Antunes (sem partido), na sessão de ontem na Câmara, afirmou que o prefeito Riverton Mussi, atualmente sem sigla partidária, deva fazer a opção de ingressar no PP ou no PMDB. O vereador também comentou o ingresso do PT no governo municipal. Ele disse que o PT nuca almejou cargos na atual administração e considerou de grande importância para o município a aproximação do chefe do Executivo com o governo federal (PT) e o estreitamento das relações com o governo do estado (PMDB). Os vereadores petistas, que são integrantes da mesa diretora, Maxwell Vaz e Marilena Garcia, justificaram sua adesão ao Governo Riverton.

Segundo o líder do governo, desde o primeiro ano da administração Riverton Mussi (2005) foram oferecidos cargos aos dois vereadores do PT, que os recusaram. Isso provaria a falta de interesse do partido por colocações. Ele se referiu aos 11 anos de afastamento da administração municipal do governo federal e aos 8 anos, da estadual, como períodos de dificuldades para Macaé Por esse motivo, Antunes salientou a importância de alianças partidárias. O vereador afirmou também que ele e o vice-presidente, George de Jardim ingressarão na sigla que o prefeito aderir.

O presidente, Eduardo Cardoso (PPS), que apóia o governo municipal, ratificou a afirmação de Antunes. Ele disse que o PT nunca buscou o prefeito, mas, que o prefeito buscou o PT, antes mesmo do partido se inserir na política do município. De acordo com Eduardo Cardoso, Riverton teria sido bem recebido tanto pelo presidente Lula, quanto por seus ministros. Maxwell Vaz acredita que com o novo posicionamento de seu partido, esse será mais útil em relação a críticas à administração. “Equívocos serão trabalhados. Dentro de um relacionamento amistoso é possível que as nossas críticas sejam melhores entendidas”, considerou.

A líder da bancada do PT, Marilena Garcia, justificou o apoio do partido a Riverton destacando um marco que viria a provocar o estreitamento das relações com o prefeito. A vereadora narrou que durante o encontro de Riverton com Lula, em março, no Rio de Janeiro, para tratar do alto índice de violência em Macaé, o presidente teria indagado a vereadora sobre a contribuição do partido ao governo municipal. O encontro, que foi articulado pela bancada do PT, foi parte do movimento contra a violência, da aliança entre Legislativo, Executivo e sociedade civil organizada. Esse teve início na primeira semana de março e foi marcado pela audiência com o secretário de Estado de Segurança, Mariano Beltrame.  “Sou de um partido que se especializou em fazer oposição…Mas, depois daquele 5º lugar (em violência no país), não me vi no direito de continuar fazendo o que sei fazer de melhor…Meu papel não muda, só aumenta minha responsabilidade”, ressaltou a vereadora.

Nessa sessão, foi aprovado em primeira votação, por 10 votos favoráveis e nenhum contrário, o projeto de lei complementar do Executivo 002/07, que altera a lei complementar 077/07, transformando empregos públicos em cargos públicos, simultaneamente a extinção dos antigos contratos dos agentes da Guarda Municipal. Aqueles que tiverem cumprido o período de interstício passarão a ter direito à incorporação ao quadro dos servidores.  Os guardas deverão se manifestar sobre a opção do regime, no prazo de 60 dias após a alteração dessa lei.

Em segunda votação, foram aprovados: o plebiscito no distrito de Glicério, requerido pelo vereador Paulo Paes (Req. 055/06) sobre o uso do antigo Colégio Cenecista; a audiência pública sobre o esgoto sanitário, que será realizada no dia 4 de junho, para comemorar o dia no Meio Ambiente, 05 de junho, e a indicação 350/07, de Chico Machado, para que o pronto-socorro pediátrico homenageie a memória do médico e vereador, Dr. Mendonça. . Com essa obra, no local do antigo fórum, o Hospital Madre Teresa de Calcutá poderá voltar a prestar atendimento exclusivo aos idosos.

Clique aqui e veja a fala dos vereadores inscritos no grande expediente.

Deixe uma resposta