Orçamento para 2019: Câmara discute e vota oito emendas

Foto:Ivana Gravina

Todas as emendas discutidas foram de Maxwell Vaz

As oito emendas discutidas na Lei Orçamentária Anual de 2019 foram de Maxwell Vaz (SD). Seis foram aprovadas por unanimidade. A votação ocorreu nesta quarta-feira (12), na Câmara Municipal de Macaé. Uma das emendas derrubadas previa a criação do Fundo Especial de Royalties para receber o excesso de arrecadação desses recursos.

O fundo serviria para amparar os serviços públicos em situações como crises econômicas, estados de emergência ou de calamidade pública. A votação empatou em 8 a 8. O desempate ficou por conta do presidente, Eduardo Cardoso (PPS).

A outra emenda rejeitada obrigaria o governo a finalizar as obras de drenagem no Sol y Mar, Visconde e Miramar. “É um serviço que atenderá 40 mil pessoas, pois beneficiará também Campo d’Oeste”, justificou o autor.

O líder do governo, Júlio César de Barros (MDB), o Julinho do Aeroporto, não concordou com a especificação dos três bairros. “A drenagem deve atender a toda a cidade”. A emenda teve 8 votos favoráveis e 7 contrários, mas foi derrubada porque proposições relativas ao orçamento precisam ter a maioria absoluta de votos a favor. Como são 17 vereadores, seriam necessários 9 votos.


Emendas aprovadas por unanimidade

“Estamos corrigindo uma aberração jurídica”, justificou Maxwell ao defender a mudança que exige o envio aos vereadores do relatório preliminar detalhado das despesas do orçamento. “A Lei Orçamentária desobriga a prefeitura”. Julinho questionou. “O relatório é enviado a esta Casa”, alegou, considerando que os parlamentares podem solicitá-lo à secretaria da Câmara.

A priorização da dragagem do canal da Virgem Santa foi acatada sem discussão. O mesmo ocorreu com as emendas que especificavam os números das legislações que na LOA apareciam apenas como “Lei da Bolsa Estágio” e “Programa Jovem Cientista”. Apreciação semelhante foi dada ao veto da “autorização de operações de crédito por antecipação de receita”.

Já a proposta de criar um “gatilho” para obrigar a prefeitura a executar as emendas impositivas dos vereadores gerou polêmica. “Caso não sejam cumpridas até o terceiro trimestre, ficará vedada a execução orçamentária do gabinete do prefeito”, explicou o autor. “Dessa forma, o senhor engessa o Executivo”, questionou o líder governista, que votou contra. “Porém, libero a bancada para votar como achar melhor”. O placar foi de 9 a 6.

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support