Outubro Rosa: Legislativo debate desafios para o tratamento do câncer de mama na cidade



Vereadores apresentaram propostas para o tratamento da doença

Dificuldades para a realização de exames e a interrupção de repasse de recursos para o tratamento do câncer de mama foram alguns dos problemas levantados em palestra no Grande Expediente da Câmara Municipal de Macaé, nesta quarta-feira (26). A iniciativa fez parte das ações do Outubro Rosa e foi apresentada pela mastologista Karina Crespo Schueler, com participação de Sávio Mussi, oncologista e diretor do Hospital São João Batista. Tomaram parte, ainda, mulheres integrantes do grupo Renascer Costa do Sol, de apoio a vítimas da doença.

 

O requerimento para a realização da palestra foi feito por Renata Paes (PSC), que solicitou a inversão dos trabalhos, para que o Grande Expediente antecedesse a Ordem do Dia. Segundo Karina, em 2016, 38 mulheres tiveram diagnóstico da doença e 19 foram operadas no hospital, estando as demais na fase de quimioterapia. “Os casos detectados, no município e no país, são 80% por meio do autoexame, pela falta de mamógrafo, o que é um absurdo e uma vergonha diante do mundo”, afirmou Sávio.

 

Karina explicou que os nódulos observados no autoexame já apresentam um tamanho avançado, o que não é o ideal para o tratamento. O ato também foi marcado por depoimentos emocionados das mulheres do Renascer Costa do Sol. “Antecipei a mamografia anual pois, no toque, percebi um caroço. A biópsia confirmou o câncer. Fui operada e graças a Deus não foi preciso retirar a mama”, contou Rosimeire do Nascimento. No caso de Renata Lima, foi necessária a retirada da mama esquerda. “Fiz também quimioterapia e radioterapia. É um processo difícil, mas Deus nos sustenta”.

 

“O câncer tem cura e não é o fim. É o início de uma nova vida. Temos que ir à luta”, disse Juliana Dias, que teve diagnóstico da doença há um ano. O grupo, com doze integrantes, recolhe cabelos em um salão para a confecção de perucas e organiza banco de lenços, para o período da quimioterapia. Providencia, ainda, almofadas para apoio do braço na adaptação pós-cirúrgica, além de, por meio do compartilhamento, ajudar no apoio psicológico às pacientes.

 

Apoio da Câmara devido à carência de recursos e equipamentos

 

“No presente momento, não temos agulhas para fazer biópsia, não estamos podendo fazer a reconstrução mamária porque não há próteses e estamos impossibilitados de realizar a radioterapia no município”, afirmou Karina. Sávio disse que uma audiência realizada em 2013, na Câmara, foi fundamental para o combate ao câncer em Macaé. “Porém, mudanças de prioridade e falta de planejamento conduziram à situação atual, em que os repasses da prefeitura para o hospital foram interrompidos”.

 

Segundo ele, que agradeceu ao presidente da Casa, Eduardo Cardoso (PPS), o serviço só não foi interrompido porque o Legislativo passou a destinar recursos mensais ao São João Batista. “Começamos a repassar esses valores a pedido do prefeito Dr. Aluízio”, disse o vereador. Alguns parlamentares apontaram saídas como a de cotizarem ou destinarem recursos do Fundo da Câmara para a compra de mamógrafos.

 

Durante a palestra, também discursaram e apresentaram propostas ou fizeram perguntas Nilton César (PROS), o Cesinha, Amaro Luiz (PSB), Maxwell Vaz (SD), Marcel Silvano (PT), Chico Machado (PDT), Igor Sardinha (PRB) e Manoel Francisco (PMDB), o Manoelzinho das Malvinas.

 

 

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support