Pacientes oncológicos estão preocupados com projeto do Executivo

Foto:Ivana Gravina

Vereadores defenderam manutenção do serviço no São João Batista

A prefeitura quer instalar um programa de quimioterapia no Hospital Público de Macaé (HPM), mas o projeto, que tramita em regime de urgência na Câmara dos Vereadores, segue levantando debates. Nesta quarta-feira (27), membros do Grupo Renascer Costa do Sol, composto por pacientes em tratamento contra o câncer, ocuparam a Tribuna Cidadã para defender a manutenção e a chegada de novos investimentos no Hospital São João Batista, que já presta o serviço.

Marvel Maillet (Rede) conduziu o encontro e voltou a apresentar justificativas para a preocupação com a proposta. “O texto que foi encaminhado pelo prefeito não dá detalhes sobre o funcionamento do novo serviço de quimioterapia, muito menos quais foram os critérios para escolher uma empresa que atua em Campos. Qual o motivo de não ser feita uma licitação? O HPM tem condições de atender a oncologia? Estas são algumas perguntas que estão sem resposta.”

As críticas foram reforçadas por Maxwell Vaz (SD). “O prefeito enviou um projeto de lei raso e sem nenhuma garantia. Vemos uma gestão com comportamento psicopata. Primeiro, diz que os servidores são o problema. Depois, o alvo passa a ser a Cedae, com ações ilegais e que até pioraram o abastecimento de água. Agora, nos deparamos com um flagrante ataque a uma instituição centenária. É lamentável”, enfatizou.

Em tratamento da doença desde 2010, Maria Madalena de Pontes Melo defendeu que o São João Batista continue como referência na cidade e que receba novos investimentos. “Peço aos vereadores que usem o bom senso e o coração. Muitos membros do nosso grupo gostariam de estar aqui, mas estão sendo atendidos neste momento. Nós enfrentamos uma batalha difícil e todos os profissionais de lá prestam um serviço humanizado, o que é fundamental”, disse.

Também ocupando a tribuna, a paciente Maria Medeiros de Oliveira apresentou um balanço sobre a atuação do Renascer Costa do Sol, que atende a 130 pessoas com acompanhamento, campanhas sociais e atividades inclusivas. Ela ainda alertou que a proposta do Executivo não contempla a radioterapia. “Muitos pacientes seguem viajando, enquanto o serviço de oncologia do São João Batista poderia ser ampliado. Pelo SUS, um dos melhores geneticistas acompanha o meu caso sem nenhum custo”, frisou.

Audiência pública

Na próxima segunda-feira (2), a partir das 18h30, acontecerá uma audiência pública que ampliará os debates com as partes envolvidas, sendo também a oportunidade para que os cidadãos apresentem suas posições. Para quem não puder comparecer à Câmara, é possível acompanhar a audiência pela transmissão ao vivo no canal Câmara de Macaé (Youtube).

A ato foi solicitado por Márcio Bittencourt (MDB), que também é médico. Ele alertou para os possíveis riscos se o atendimento oncológico acontecer no HPM. “O hospital recebe pacientes das mais diversas gravidades. Uma pessoa com câncer tem a imunidade baixa e acabaria exposta a doenças infectocontagiosas. O recomendado é que a quimioterapia aconteça em um ambiente seguro”, alertou.  Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support