Pavimentação do Sana: Legislativo levará em conta o impacto ambiental

Apesar de a população do Sana concordar, em sua maioria, que o distrito mere

Apesar de a população do Sana concordar, em sua maioria, que o distrito merece um acesso pavimentado; ambientalistas e grupos como o “Pequena Semente”, que preza pela defesa ecológica local, alegam que a estrada deva ser feita, porém sem que obrigatoriamente se utilize o asfalto como se este fosse a melhor das opções. Christiano Matos, de 34 anos, faz parte do Pequena Semente: “estamos a favor da estrada e contra o asfaltamento”, disse.  O secretário executivo de Meio-Ambiente, Henrique Emery, participou da audiência e lembrou que houve um apelo para que a pavimentação seja asfáltica. O desejo dos sanenses foi pelo asfalto, a minoria pediu uma estrada de pedras ou paralelepípedo. As manifestações dos moradores eram de adesão a uma proposta de asfaltamento. Por ser o Sana uma área de conservação, é preciso garantir o respaldo da legislação federal que regula as intervenções dentro de unidades de conservação.

O vereador Maxwell Vaz (PT) – primeiro secretário da Câmara Municipal de Macaé – confirma que as opiniões e sugestões levantadas – durante a recente Audiência Pública do Sana, no último sábado – serão consideradas para a elaboração das proposições do Legislativo: “Nesta semana, creio que surgirão indicações sobre a questão da pavimentação do distrito”, disse. O vereador e primeiro secretário afirma que a Câmara está preparada para atender às solicitações viáveis dos sanenses no lançamento das propostas para pavimentar o acesso àquele distrito, levando em conta o impacto ambiental, e posteriormente, o secretariado responsável deve orçar e viabilizar as obras da melhor maneira possível.

“A população quer a pavimentação asfáltica do trecho que liga Casimiro de Abreu ao Sana e ao Frade. A plenária afirmou através dos moradores e representantes locais que a pavimentação irá facilitar o acesso ao hospital da serra, no Trapiche, além de agilizar o deslocamento dos moradores para outras localidades, bem como, de acordo com os responsáveis pela rede de ensino do Sana, irá evitar a evasão de alunos para Macaé e para outras escolas distantes do distrito do Sana”, declarou Maxwell.

A vereadora, Marilena Garcia (PT), que também esteve presente na audiência declarou que o desafio da pavimentação do distrito do Sana é apenas uma, de muitas questões desafiadoras, a ser enfrentada pelo município: “acredito que o desafio é tamanho porque o distrito sofreu o abandono de governos anteriores. Assim, as questões chegaram a um patamar quase que emergencial. Está claro que a população sanense quer a pavimentação e exige melhorias para a qualidade de vida de seus moradores”, ressaltou a vereadora.

O impacto sobre a natureza local foi uma grande preocupação dos moradores. Portanto, na elaboração de propostas dos vereadores, estas questões deverão ser realçadas. Após o legislativo concluir a parte que lhe cabe, os demais poderes passarão a avaliar o que estiver determinado pelas autoridades da Câmara. Se a legislação permitir, a pavimentação deverá ser asfáltica. Mas primeiramente tem de ser ‘fechado’ o projeto do legislativo. Em caso de a legislação brecar o uso do asfalto naquela unidade de conservação, as sugestões citadas durante a consulta popular incluíram paralelos, bloquetes e saibro.

Quanto à contenção que se fará necessária, será preciso tecnologia adequada do município para as obras, administrando-se a melhor saída. As opções para as contenções, citadas na ocasião, foram canaletas e calhas, de modo que a água possa escoar por debaixo da pista: também seria necessário fazer a contenção de pedras e barreiras, pois trata-se de um terreno ‘mole’.

O cuidado apontado e exigido pela legislação federal é preservar a unidade que é uma área de consservação protegida pelo Governo. O secretário executivo de Obras, Tadeu Campos, informa que a secretaria já tem o levantamento macro para as obras nos arredores do distrito. “Foi definido e orçado o levantamento da parte de contenção e drenagem”, afirmou.
  
 
  

Deixe uma resposta