Plebiscito em Glicério



A população do distrito de Glicério, na Região Serrana de Maca A população do distrito de Glicério, na Região Serrana de Macaé, poderá vir a ser ouvida, por meio de um plebiscito, sobre o destino que a comunidade gostaria de dar ao prédio em que funcionava o Colégio Cenecista Ivone Rabelo Tavares Batista. Essa proposta foi apresentada na sessão ordinária de ontem, pelo vereador Paulo Paes (PSDB), através do requerimento 055/07. O vereador sugere que o prédio, conhecido como ginásio ou esqueleto, seja substituído por uma praça, área de lazer, esporte e para festas locais, servindo também como ponto de apoio turístico.

O prédio, que ocupa uma área central do distrito, para o vereador, além de estar sendo pouco utilizado, comportando a Secretaria Municipal do Interior, acaba atrapalhando eventos e festas. “No passado serviu muito a toda comunidade serrana. Eu mesmo já estudei ali. Porém hoje, com as reformas que Glicério veio tendo, não há mais necessidade. Fica aquele esqueleto no Centro da Cidade, onde não há uma área própria para o lazer”, justificou o vereador. Ele considera que a população local deva decidir sobre o destino do prédio e acredita que o prefeito Riverton Mussi (sem partido), que reside no distrito, estaria pronto para atender a decisão. 

Nesta sessão, presidida pelo primeiro-secretário Maxwell Vaz (PT), não houve quorum para a deliberação sobre as matérias da ordem do dia e nem inscritos para o grande expediente. Constaram do expediente, com destaque, as indicações: 409/07; 410/07; 411/07; 412/07; 413/07; 414/07 e 416/07; da vereadora Maria Helena Salles (PSDB), referentes à solicitação às secretarias de Educação, Obras e Serviços Públicos e ao setor de transportes, de melhorias nos bairros Virgem Santa, Jardim Carioca e Vila Piracema. Além das indicações: 402/07; 403/07; 404/07; 405/07; 406/07 e 407/07, do vereador Jorge de Jesus (PRB), buscando beneficiar os bairros Centro e Novo Cavaleiros.

<

p align=”justify”>O prefeito enviou à Câmara um documento solicitando ao presidente, Eduardo Cardoso (PPS), o cancelamento do procedimento do projeto de lei do legislativo 016/07, que objetiva alterar a Lei Complementar 019/2000. O cancelamento foi justificado pelo Executivo devido uma lei ordinária não poder alterar uma complementar. O PLL trata dos servidores públicos municipais. A prefeitura já enviou à Câmara novo projeto de lei a esse respeito, para apreciação dos parlamentares (PLCE Reforma Administrativa).

Deixe uma resposta