População e autoridades discutem possível desmobilização da Petrobras



Encontro foi realizado na noite desta terça-feira (31)

No início da noite desta terça-feira (31), a Câmara Municipal de Macaé reuniu população, parlamentares de cidades vizinhas, representantes de sindicatos e vereadores da Casa para discutir, em audiência pública, a possível desmobilização do Porto de Imbetiba. O encontro também abordou o atual cenário econômico do país e perspectivas de investimentos para os próximos anos.

 

“Esta audiência pública é fruto de um requerimento aprovado por esta Casa. Precisamos discutir a desmobilização de atividades da Petrobras, especialmente no Porto de Imbetiba. O movimento ‘Fica Petrobras’ ganhou adesão da população e tirou a estatal da zona de conforto. Ontem (30), foi divulgada uma carta declarando que não haverá interrupção de atividades em Macaé. Acredito que conseguimos atingir o nosso objetivo, declarou Maxwell Vaz (SD), solicitante do ato.

 

O documento foi lido pelo vereador Chico Machado (PDT). Entre as novidades, estão os planos para a comemoração dos 40 anos de atividades da Unidade de Operações da Bacia de Campos, que acontecerá em 2017. Mas, para Maxwell, alguns pontos ainda precisam de explicações.

 

“Há informações de investimentos em outros portos e é importante reforçar que não somos contra o desenvolvimento regional, mas precisamos saber as mudanças que acontecerão em Macaé”, reforçou. “Historicamente, os governos deixaram de discutir inúmeras questões fundamentais para fortalecer a indústria do petróleo, como a duplicação da BR-101, a ampliação do aeroporto e a construção de uma nova rodoviária”, criticou Igor Sardinha (PRB).

 

“Os vereadores de Macaé estão de parabéns pela iniciativa. Reforçamos esta luta, pois o número de desempregados é cada vez maior e os municípios vizinhos também sofrem com a crise. É importante que a mobilização continue, principalmente porque uma nova gestão assumirá a Petrobras”, alertou o vereador de Rio das Ostras, Ademir Mendes de Andrade (PMDB). O vice-presidente do Legislativo riostrense, Aluisio Viana (PMDB), também participou da audiência.

 

Para os representantes de sindicatos, a preocupação continua, mesmo com as recentes notícias. Em balanço divulgado, 10 mil homologações foram realizadas por apenas uma das categorias, em 2015. Amaro Luiz (PSB), que também participou da audiência, reforçou a importância dos sindicatos na luta pelos direitos dos trabalhadores.

 

 Durante a participação do público, o coordenador regional do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Nestor Prado Junior, ainda explicou os trâmites dos atuais processos de licença e de renovação de operação que estão em andamento no órgão e que geram impactos diretos para Macaé e municípios vizinhos.

 

 

Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta