Presidente da Mactran esclarece dúvidas no plenário



O presidente da Mactran – Macaé, Trânsito e Turismo, coronel da PM L&ua

O presidente da Mactran – Macaé, Trânsito e Turismo, coronel da PM Lúcio Aracati esteve presente na sessão ordinária de ontem da Câmara. Aracati foi convidado pelo vereador Maxwell Vaz que enviou ao mesmo um ofício para que comparecesse ao plenário para falar sobre o sistema dos estacionamentos rotativos da cidade.

Aracati iniciou sua fala explicando ao público presente e aos vereadores o funcionamento do sistema. Mas o foco acabou mudando, devido a publicação de uma matéria num jornal de circulação do município, há cerca de 20 dias. Tal matéria apontava supostas irregularidades na compra e na instalação de placas indicadoras que foram adquiridas pela Mactran e acusava que todos os itens da licitação estavam superfaturados na compra. As placas fazem parte de um sistema de melhorias implantadas para melhorar o eixo viário da cidade.

O presidente disse que uma empresa foi contratada para realizar uma série de intervenções na cidade, entre elas a instalação de placas, semáforos e postes, todos de boa qualidade. “Tudo que foi comprado foi publicado com os valores no jornal de grande circulação. Agora a pesquisa de preço da placa que o repórter fez é de um produto, com qualidade muito inferior ao que nós compramos”, disse.

O vereador João Sérgio lembrou do último episódio do fim de semana onde fortes rajadas de vento provocaram muitos estragos pela cidade. “Depois do furacão eu rodei as ruas da cidade e pude notar que as placas de sinalização da Mactran não sofreram nenhuma danificação. Aracati disse que também circulou pela cidade e constatou também que as placas não tinham sofrido danos. “Eu rodei pelas ruas no sábado à noite e não vi nenhuma das placas danificadas, ou seja, todas elas conseguiram sobreviver a um primeiro desastre. Imagine se esta placa fosse de outro material? Será que não teria estragado?”, indagou.

Encerrando, Lucio Aracati informou que já tomou as providências jurídicas e quer que o veículo de circulação se retrate das inverdades publicadas.

Deixe uma resposta