Público aplaude proposta de fim de monopólio

Durante a sessão plenária de ontem, presidida por George Jardim (*PMDB), o p

Durante a sessão plenária de ontem, presidida por George Jardim (*PMDB), o presidente da Câmara, Eduardo Cardoso (PPS) defendeu a cassação da concessão da empresa Viação Macaense, que detém a maioria das linhas do Sistema de Transporte Integrado-Sit do Município, além da abertura de nova concorrência pública para o setor e sua reestruturação. Os sete parlamentares presentes apoiaram essa reivindicação e também foram calorosamente aplaudidos pelo público presente.

Eduardo Cardoso, que confessou que chegou a defender a implantação do Sit, está convicto que o sistema fracassou.  “Não está se respeitando o trabalhador das vans e nem a população macaense”, disse o presidente, ao comentar um ofício encaminhado pelo presidente da Cooper Macaé, cooperativa das vans alimentadoras do Sit, comunicando o atraso de repasse de adiantamento (20%) e do pagamento referente a maio. Às 7h de hoje, os 52 motoristas da Cooper Macaé realizaram um movimento de esclarecimento aos usuários, nos terminais Lagoa e Cehab, a respeito da situação da cooperativa e iniciaram uma paralisação por tempo indeterminado.

Segundo membros da diretoria do grupo, a paralisação se deve a falta de diesel. Eles explicaram que há cerca de cinco meses passaram a receber o pagamento com atraso, o que prejudicou o crédito com as distribuidoras de combustível. Outro problema dos proprietários de vans é manter os 26 motoristas, que este mês estão com o salário atrasado em 18 dias. O grupo explicou ainda que a outra cooperativa de vans do sistema, a Cooper Atlântico, possui fontes alternativas de renda, por atuarem também com transporte escolar e intermunicipal e, por isso, não precisaram interromper esse serviço gratuito e necessário à população. Eles reclamam também que o contrato com a empresa Viação 1001 ainda não foi formalizado e o reajuste de valor acordado não foi cumprido. Os cooperados agradeceram o apoio unânime dos vereadores e disseram acreditar que serão atendidos pelo prefeito Riverton Mussi (*PMDB).

O vice-líder do governo, Luiz Fernando Pessanha (sem partido) também fez a defesa da categoria e da empresa de ônibus urbanos minoritária, Líder, na sessão de ontem. “Sou favorável que haja uma nova licitação para que não tenha mais o monopólio da empresa Macaense”, concordou o vereador. Marilena Garcia (PT) também aderiu a “campanha para que o prefeito reveja a concessão. Monopólio não dá certo em setor nenhum. Abaixo o monopólio”, reivindicou.

O petista Maxwell Vaz ressaltou que o beneficiário do sistema deveria ser o usuário e não uma empresa. Ele também defendeu as vans alimentadoras, a empresa Líder e a publicação de edital de licitação. “O presidente da Macaé Trânsito e Transporte-Mactran, Lúcio Aracati, esteve aqui respondendo aos questionamentos dos vereadores, mas o que a população quer é a solução para o problema”, disse. Jorge de Jesus (PRB) criticou os ônibus lotados e concordou com Vaz: “Não queremos apenas palavras, mas soluções”. Pedro Reis (PSDB) apoiou a atitude de Eduardo Cardoso. “O que não deu certo, já passou do tempo de ser amputado e apresentadas soluções melhores”, criticou. Por fim, George Jardim (*PMDB) considerou que essa é uma questão de toda a casa legislativa.

Além do transporte coletivo, teve destaque na sessão a divulgação, pela líder da bancada do PT, Marilena Garcia, do nome do indicado pelo partido para assumir uma pasta no governo municipal como secretário especial. O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil-OAB de Macaé, Juvêncio Papes, que não tem filiação partidária, foi o nome de consenso do grupo político. Ele será responsável por três secretarias executivas. Marilena elogiou a visão administrativa de Juvêncio, ex-funcionário da Petrobrás. No expediente tiveram destaque quatro indicações e quatro requerimentos, de Maxwell Vaz, referentes às demandas da audiência pública sobre esgoto sanitário, realizada em 4 de junho.

*filiação não formalizada.

Clique aqui e veja a fala dos vereadores inscritos no grande expediente.

Deixe uma resposta