Queixas dos servidores municipais poderão ser enviadas ao MP

Foto:Ivana Gravina

Funcionários de diversas categorias apresentaram reivindicações na audiência

O vereador Marvel Maillet (Rede) afirmou que vai encaminhar ao Ministério Público (MP) as reivindicações dos servidores municipais apresentadas na noite desta segunda-feira (30/9), na Câmara de Macaé. Ele presidiu a audiência no Legislativo em que funcionários reclamaram de questões salariais, más condições de trabalho e necessidade de concurso público, entre outros pontos.

“Temos absurdos como os auxiliares de serviços gerais (ASG) ganhando menos de um salário mínimo”, começou ele, encarregando sua assessoria jurídica de anotar os relatos feitos no evento que quase lotou o plenário da Casa. Marvel registrou ainda que convidou todas as secretarias de governo, mas nenhuma enviou representante.

A ASG Adriana Ferreira informou que a categoria está ganhando R$ 857 e está sobrecarregada. “Trabalhamos em escolas com a 800 a 1.000 alunos para um ou dois servidores. É necessário um novo concurso público”.

A colega Adilse Pinto contou que eles não recebem insalubridade mas, por exemplo, às vezes limpam vômito de crianças que depois são diagnosticadas com meningite. “Temos até vergonha de dizer quanto ganhamos. Nós não conseguimos nem abrir um crediário”, lamentou.

Já o porteiro Antônio Carlos Freitas protestou contra o desvio de função. “Exercemos funções de vigilante e não recebemos adicional de periculosidade”.


Sindicato estadual

Alexandre Del Pech, representante do Sindicato Estadual dos Profissionais em Educação (Sepe), disse que há nove meses pede audiência com o secretário municipal de Educação Guto Garcia e não consegue. “Queremos falar com ele, pois são cinco anos sem reajustes. Mas uma vez, ficamos horas esperando e não fomos atendidos”.

O condutor de ambulância Solemar Silva disse que os motoristas não recebem os cursos de Atendimento Pré-hospitalar e de Transporte de Emergência. “O nosso piso estadual é de R$ 2.512 e nós ganhamos R$ 1.400”, acrescentou.

Os Agentes de Combate a Endemias (ACEs) também marcaram presença. “Recebemos R$ 1.096 e nossa formação, de ensino médio técnico, nos dá direito a R$ 1.250. Nós sofremos intoxicações pelos larvicidas e raticidas que carregamos e não temos o adicional de 20% por insalubridade”, disse Cláudia Almeida. Os ACEs reclamam também de falta de equipamentos de proteção. 


Abaixo-assinado para o MP

“Estamos anotando tudo e levaremos para análise do Ministério Público, junto com um abaixo-assinado de 600 ASGs e 100 porteiros” concluiu Marvel. Também participaram da audiência Marcel Silvano (PT), Maxwell Vaz (SD), Julinho do Aeroporto (MDB), Márcio Bittencourt (MDB) e Robson Oliveira (PSDB).

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support