Reforma administrativa: maioria aprova regime de urgência para votação



 <span style="display: none;">&nbsp;</span>

Projeto deverá ser votado em até 20 dias

Por 10 votos a sete, a Câmara Municipal de Macaé aprovou, na sessão desta terça-feira (8), o regime de urgência para o Projeto de Lei 007/2016, do Executivo, que estabelece uma reestruturação administrativa na prefeitura, com a extinção de fundações, autarquias e de aproximadamente 1400 cargos comissionados. Agora, a matéria será encaminhada para pareceres jurídicos e das comissões de Finanças e Orçamento e de Justiça (CCJ), com prazo para apresentação de emendas ao projeto, e deverá ser votada em até 20 dias corridos.

 

A votação também será acompanhada por projetos de leis complementares, que extinguem a Empresa Pública Municipal de Saneamento (Esane), o Fundo Municipal de Desenvolvimento Econômico e Social (Fumdec), a Fundação de Esporte e Turismo (Fesporte), a Agência Municipal de Vigilância Sanitária (AMVISA), a Fundação Municipal Hospitalar de Macaé (FMHM), a Fundação Educacional de Macaé (Funemac) e a Fundação Macaé de Cultura (FMC). De acordo com a bancada do governo, haverá economia de R$ 3,5 milhões por mês.

 

Assim que as matérias foram lidas, o presidente Eduardo Cardoso (PPS) abriu a votação para escolha do regime de urgência. Chico Machado (PDT) foi o primeiro a solicitar a palavra e declarou voto contrário. “Lendo o conteúdo, identifiquei que não há projetos para extinção do IMCT (Instituto Macaé de Ciência e Tecnologia) e da Agetrab (Agência de Trabalho, Educação Profissional e Renda de Macaé), como constam na reforma. É preciso que a prefeitura encaminhe o que falta antes de votarmos”, defendeu.

 

Imediatamente, Paulo Antunes (PMDB) solicitou que a votação fosse confirmada. “Este projeto é muito sério e precisa ser aprovado para garantir a segurança dos servidores concursados. Se for preciso, eu apresento as emendas que contemplem a solicitação do vereador Chico”, disse.

 

“Acredito que esta é uma reforma necessária, mas falta o debate com a sociedade. Não cabe uma urgência neste projeto, pois tratamos de mudanças que vão modificar atividades essenciais de Macaé”, acrescentou Marcel Silvano (PT). O vereador Maxwell Vaz (SD) também se posicionou contrário. “Com a aprovação, o município passará de 24 para 48 cargos de secretários. Mesmo com o título de ‘secretário adjunto’, o salário será o mesmo e precisamos rever esses pontos. Além disso, não recebemos o estudo de impacto financeiro”, alertou.

 

Igor Sardinha (PRB), por diversas vezes, solicitou a palavra para questionar o conteúdo. “Há erros graves na formatação e os debates estão prejudicados, já que não sabemos o que acontecerá com os servidores das fundações que possuem planos de carreira próprios e regimentos da administração que não são como os da prefeitura. Aprovar o regime de urgência vai limitar as chances de esclarecermos todos os pontos”, criticou o líder da oposição.

 

O líder do governo, Júlio César de Barros (PMDB), o Julinho do Aeroporto, reforçou a necessidade das mudanças diante do atual cenário econômico do país. “Teremos todo o tempo necessário para analisarmos o conteúdo da proposta, cada vereador poderá apresentar as mudanças que achar necessário e esta Casa decidirá”, completou Eduardo Cardoso, antes de apresentar a votação e divulgar o resultado favorável ao governo.

 

 

Jornalista: Júnior Barbosa

<span style="display: none;">&nbsp;</span>

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support