Sem-terra pedem para ficar provisoriamente em terra ocupada

Foto:Tiago Ferreira

Rosa, do MST, disse que sem-terra corriam risco de morte em Rio das Ostras e passam necessidade em Macaé.

A Câmara Municipal de Macaé cedeu o Grande Expediente desta terça-feira (26) para o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) apresentar o projeto de uma escola agroecológica. Os camponeses também pediram para permanecer provisoriamente na área que ocuparam este ano e que está prevista para o projeto.

Atualmente, eles temem ser retirados a qualquer momento do local, que pertence à prefeitura. O acampamento está localizado na estrada para a Região Serrana.

Foto: Tiago Ferreira

A integrante do MST Rosa Maria da Silva contou que morava em Macaé e devido ao desemprego foi com outras pessoas para o Acampamento Edson Nogueira, em Cantagalo, Rio das Ostras. “Fomos despejados de lá (em abril deste ano) e corríamos risco de violência e morte. Viemos para cá e estamos passando necessidade. Bebemos água de um rio. Somos 120 famílias, algumas vivendo com R$ 200 mensais.

Rosa disse que os sem-terra querem ficar no local até a liberação de terras previstas pela reforma agrária.

O presidente, Eduardo Cardoso (PPS), falou em seguida, dizendo-se emocionado com o depoimento. Marcel Silvano (PT), que solicitou a cessão do Grande Expediente ao movimento, comentou, referindo-se ao prefeito Aluízio dos Santos Júnior (MDB): “Um dia, ouvi o prefeito dizer que era muito sensível à consciência do povo sem-terra que é agredido todos os dias. Acredito nisso e creio que seja por isso que ele recebe o MST”.

Já Maxwell Vaz (SD) criticou. “Na verdade, ele deu um prazo de sete dias para eles saírem de lá”. Paulo Antunes (MDB) afirmou que os vereadores não podem determinar a permanência, mas, sim, intervir junto a Aluízio. “Precisamos, porém, pensar na situação imediata dessas pessoas”.

Escola agroecológica

A Unidade Pedagógica para Desenvolvimento Agroecológico, a ser implantada pelo campus riostrense da Universidade Federal Fluminense (UFF) no Acampamento Edson Nogueira, transferido do município vizinho para Macaé, prevê cursos teórico-práticos de dois, quatro e seis meses. Os cursos receberiam até 400 famílias por ano, provendo hortifrutigranjeiros para o comércio local e merenda escolar.

Também participou da apresentação o professor do curso de Serviço Social da UFF, Ramiro Dulcich Piccolo, coordenador do Projeto de Extensão Terra, Saúde e Direitos, que realiza no Acampamento Osvaldo de Oliveira, em Córrego do Ouro, ações de saúde e estímulo à produção sustentável. Ele disse que as famílias não vão morar no local da escola. “Apenas um grupo permaneceria lá para auxiliar o projeto”.

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support