Transporte coletivo: Lei favorece usuários com deficiências visuais e mobilidade reduzida



Projeto de lei foi aprovado por unanimidade

O Projeto de Lei (PL) Nº 63/2016, apresentado por Welberth Rezende (PPS) e aprovado por unanimidade nesta terça-feira (19) na Câmara Municipal de Macaé, vai beneficiar pessoas com deficiências visuais e mobilidade reduzida que usam transporte coletivo. Segundo o vereador, o projeto obriga os ônibus a pararem fora dos pontos para esses passageiros.

 

“Nossa proposta garante, na cidade, uma avaliação já feita pelo próprio STF quanto à obrigatoriedade de os ônibus atenderem a pessoas nessa situação”, esclareceu Welberth. Igor Sardinha (PRB), autor de lei já em vigor, favorecendo mulheres em horário noturno, comentou que algumas reclamam de determinados motoristas, que não obedecem à exigência. “Mas, em geral, elas estão se sentindo mais seguras. Por isso, eu apoio a iniciativa de Welberth, que amplia essa conquista”.

 

Segundo o parlamentar do PRB, devido à grande rotatividade dos motoristas do SIT, é necessário que a empresa oriente os novos profissionais sobre a legislação. Ele sugeriu ainda que a Ouvidoria da Casa ficasse disponível pare receber reclamações de usuários insatisfeitos. Manoel Francisco (PPS), o Manoelzinho das Malvinas, também discursou favoravelmente ao projeto e disse que está elaborando uma proposição para estender às pessoas da terceira idade a possibilidade de pegar ônibus fora dos pontos.

 

Amaro Luiz (PSB) mencionou ainda ampliar o benefício para passageiros temporariamente impossibilitados de andarem longas distâncias, como alguém com a perna quebrada, por exemplo. Welberth esclareceu que, ao citar pessoas “com mobilidade reduzida”, o PL 63/2016 abrange também os casos sugeridos pelos colegas e ainda outros, como o das gestantes.

 

Eduardo Cardoso (PPS), presidente da Câmara, afirmou que a empresa SIT e a Secretaria de Mobilidade Urbana devem agir juntas para garantir a observância da nova lei. “Assim estaremos humanizando o transporte coletivo em Macaé”, afirmou.

 

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

  

Deixe uma resposta