Vereadores de Macaé aprovam novo Código de Posturas

 <span style="font-size:14px;"><span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;">Projeto do Executivo foi aprovado com 28 emendas dos vereadores</span></span>

 <span style="font-size:14px;"><span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;">O Projeto de Lei Complementar (PLC) 09/2014, que regulamenta o novo Código de Atividades Econômicas e de Posturas de Macaé, foi aprovado nesta terça-feira (1º), na Câmara Municipal de Macaé. A revisão do Código Municipal de Posturas foi proposta pelo Executivo e levou um ano para ser estudada, discutida e votada pelos parlamentares. Ao todo, eles apresentaram 28 emendas ao projeto original - todas aprovadas em plenário.</span></span>

 

Segundo o presidente do Legislativo, Eduardo Cardoso (PPS), o conteúdo do PLC gerou muitos debates e polêmicas entre os vereadores. “Por isso, ele levou tanto tempo para ser aprovado. Queríamos dar a oportunidade a todos de entender e propor melhorias sobre cada assunto, de modo a adaptar a legislação às necessidades da população”, esclareceu.

 &nbsp;

Das 28 emendas, 12 foram apresentadas pelo vereador Welberth Rezende (PPS), que propôs melhorias ao texto do projeto de forma a torná-lo mais claro e preciso, além de corrigir alguns detalhes que não foram notados pelo Executivo. Contudo, nenhuma das propostas de alteração foram estruturais. “São todas emendas reparadoras do texto”, explicou Welberth.

 &nbsp;

Outras oito emendas foram propostas por Chico Machado. Uma delas autoriza a substituição do comerciante informal licenciado pela prefeitura por um familiar, em caso de doença, de maneira a garantir a renda da família. “Hoje, se o ambulante adoece, ele não pode colocar o filho ou a esposa para trabalhar em seu lugar, pois a licença concedida pela prefeitura é intransferível – mesmo com a comprovação da doença.” Para o parlamentar, isso coloca o trabalhador em dificuldades no momento em que ele mais precisa.

 

Ainda foi proposta por Chico, a inclusão de egressos de penitenciárias e instituições socioeducativas dentre os cidadãos com prioridade para receber licença para trabalhar no comércio informal, tendo em vista a dificuldade que essas pessoas encontram de conseguirem um emprego formal. “Acho louvável a iniciativa, pois precisamos fazer algo por esses cidadãos, geralmente excluídos da sociedade, para que possam obter o seu sustento e o da sua família de forma honesta”, parabenizou Marcel.

<img class=" alignright size-full wp-image-2670" alt="" class="cke-resize" src="http://www.cmmacae.rj.gov.br/site/wp-content/uploads/2015/12/images_francisco_julinho0112.jpg" style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; width: 250px; height: 167px; float: right;" width="510" height="340" />

&nbsp;

O vereador Júlio César de Barros, o Julinho do Aeroporto (PPL), também propôs seis emendas relacionadas ao ordenamento e uso do espaço público. Ele prevê e fixa a aplicação de multa para comerciantes e cidadãos que mantenham som em volume alto em áreas residenciais e de lazer, tais como praias, cachoeiras e vias públicas. “Em tempos de crise, é importante que a prefeitura aumente a arrecadação e, ao mesmo tempo, garanta o cumprimento da lei. É também uma questão de respeito ao próximo, que não é obrigado a tolerar o excesso de barulho”, defendeu.

 

Outras duas emendas foram assinadas por Maxwell Vaz (SD). A principal delas visa a coibir propagandas nas rotatórias dispostas pela cidade. “Essas placas podem impedir a visão ou desviar a atenção do motorista. O código de trânsito já prevê essa proibição, mas é importante incluir em nosso Código de Postura.”

&nbsp;

Jornalista: Adriana Corrêa

Deixe uma resposta