Vereadores debatem sobre permanência da Petrobras no município



 <span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px;">Maxwell Vaz</span><span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px;">&nbsp;indagou ao gerente da Petrobras o motivo de não ter sido realizada a dragagem do Porto de Imbetiba.</span>

<span style="font-size:14px;"><span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;">Duas proposições de Maxwell Vaz (SD), nesta terça-feira (1), levaram os parlamentares da Câmara Municipal de Macaé a discutirem a permanência da Petrobras na cidade. O Requerimento 477/2016, o primeiro a ser discutido, solicita envio de correspondência ao gerente da Unidade de Operações na Bacia de Campos (UO-BC), Marcelo Ferreira Batalha. O vereador indaga ao gerente o motivo de não ter sido realizada a dragagem do Porto de Imbetiba.</span></span><br />  &nbsp;

“Quando realizamos a campanha ‘Fica Petrobras’, no ano passado, soubemos que uma das motivações para a empresa desmobilizar o porto era a falta de licença do Inea (Instituto Estadual do Ambiente) para a dragagem”. Maxwell disse que a licença foi obtida em julho deste ano, junto à Secretaria de Estado do Ambiente e ao instituto. “Se a empresa perder uma embarcação ali por encalhe, corremos o risco de uma desmobilização total do porto”.
 

Segundo ele, a consequência seria uma grande diminuição da arrecadação e o fechamento de vagas de trabalho. Chico Machado (PDT) apoiou a proposição, sugerindo que seja encaminhada uma cópia dela ao prefeito, para que também o Executivo tome as providências cabíveis para facilitar a realização da dragagem. “Maxwell aliou o conhecimento técnico e a experiência de já ter trabalhado na Petrobras para nos alertar de uma situação importante”, acrescentou Igor Sardinha (PRB).
 

“Será que a empresa não realizou a dragagem porque não pretende permanecer no porto?”, perguntou Amaro Luiz (PSB), referindo-se à outra proposição de Maxwell. O Requerimento 478/2016 solicita um posicionamento oficial do presidente da Petrobras, Pedro Parente, sobre a porcentagem de desmobilização que a estatal prevê para suas operações em Macaé. “Ao garantir que não sairia da cidade, a empresa não deixou clara essa informação. Se for mais de 50%, as consequências serão graves para o município”. Os dois requerimentos foram aprovados por unanimidade.
 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support