Vereadores exigem solução para transporte coletivo

A sessão ordinária de ontem foi longa e tratou de diversas pautas. Isso porq

A sessão ordinária de ontem foi longa e tratou de diversas pautas. Isso porque três vereadores estiveram em comitiva à Europa com o prefeito Riverton Mussi (sem partido) e outros três de licença médica, o que impediu, por falta de quorum, a deliberação das matérias em sessões anteriores. Foram aprovadas importantes matérias do executivo como o Código de Postura – por unanimidade – e também um convênio entre a prefeitura e a Fundação Estadual Leão XIII, no intuito de integrar políticas públicas sociais. Mas o centro do debate voltou a ser o transporte coletivo.

Mais uma vez os problemas ambientais tiveram destaque, como a falta de tratamento do esgoto sanitário e industrial que é despejado in natura no meio ambiente e também os critérios das licenças para novos loteamentos públicos. A discussão sobre a interferência do Executivo municipal nas eleições para presidente das associações de moradores também teve continuidade na última sessão. Além disso, os vereadores Luiz Fernando Pessanha (sem partido), Maria Helena Salles (PSDB) e Jorge de Jesus (PRB), que integraram a comitiva do prefeito a Portugal e Espanha, explicitaram as perspectivas quanto a investimentos no município que a viagem com o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços, Júlio Bueno, deverão propiciar.

No entanto, sem dúvida nenhuma, o foco da discussão foi as deficiências do Sistema de Transporte Integrado de Macaé. Júlio César de Barros (sem partido) afirmou que o transporte público nunca esteve tão ruim e indicou que o presidente da Macaé Trânsito e Transporte-Mactran, Lúcio Aracati, fosse convocado para discutir a questão no plenário. O vereador sugeriu a formação de uma comissão de vereadores para buscar uma solução para o problema. "Nós estamos sendo cobrados pelos eleitores e não estamos coniventes com essa situação. O prefeito Riverton disse que faria nova licitação. Nós sabemos que tudo que é monopólio não faz bem à sociedade", ressaltou.

Marilena Garcia (PT) colocou o projeto Câmara em Ação à disposição da causa, para que os vereadores possam agir juntos e apresentar um relatório ao prefeito. Jorge de Jesus (PRB) disse que o poder público tem que acompanhar o crescimento da cidade. "O povo já está cansado de pegar ônibus lotados", ratificou. "Vários vereadores já levantaram essa questão ao plenário e não tivemos nenhuma solução", reclamou Luiz Fernando Pessanha que questionou a serventia do terminal da Barra e dos Cavaleiros.

Ele criticou os longos percursos das linhas e o número insuficiente de ônibus. O vereador considera que a abertura de licitação para a compra de dez ônibus não atenderá a demanda e cobrou do executivo uma ação ampla e emergencial. Paulo Paes (PSDB) lembrou que, desde que foi implantado, há quase dois anos, a Câmara denuncia a ineficiência do sistema de transporte do município. "A voz da Câmara não está valendo de nada. Eu vi dois ônibus da Líder, lotados, hoje, em córrego do Ouro, às 7h. Não tinha mais como entrar ninguém. Houve um grande tumulto", narrou.

Clique aqui e veja o que os vereadores falaram no grande expediente.

Deixe uma resposta