Vereadores pedem solução para animais soltos em vias públicas

Foto:Ivana Gravina

O debate envolveu temas como prevenção de acidentes, problemas no trânsito e maus-tratos.

Um pedido de informações ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) sobre o não recolhimento de animais soltos nas vias públicas foi aprovado na sessão desta quarta-feira (6), na Câmara Municipal de Macaé. A solicitação foi feita pelo vereador Maxwell Vaz (SD), que chamou a atenção para o risco que animais de grande porte, sobretudo equinos e bovinos, representam para pedestres e motoristas.

De acordo com o autor do requerimento, é necessária uma ação imediata para responsabilizar os proprietários desses animais que permanecem soltos nas ruas, transitando livremente em busca de alimento. “Perdi o meu irmão assim, após um acidente no qual ele colidiu com um animal que estava na pista”. Maxwell fez um apelo para que o governo municipal cumpra a legislação que estabelece o recolhimento dos bichos e a punição dos seus responsáveis com multa.

O presidente, Eduardo Cardoso (PPS), relatou que quando foi secretário de Saúde a Coordenadoria de Zoonoses tinha um caminhão disponível 24 horas por dia que fazia a captura, além de um programa de castração, carros fumacê e um centro cirúrgico para pequenas cirurgias de animais. “Não sei por que foi tudo interrompido”.

Sugestões parlamentares

O vereador Robson Oliveira (PSDB) sugeriu que os equinos e bovinos sejam cadastrados e recebam um chip de identificação, tal como acontece em uma cidade de Santa Catarina. “Se o animal for apreendido, o proprietário é facilmente identificado e punido. E o custo desse trabalho é pago por cada dono”.

Para Marcel Silvano (SD), além do risco de acidentes, esses animais também agravam o problema do trânsito. “Outro dia havia três cavalos atravessando a Linha Verde. O trânsito que já é caótico foi interrompido”. Ele também chamou a atenção para outros bichos que demandam ação do poder público, tais como cães e gatos. “Precisamos de um plano de ação para todos os problemas envolvendo animais soltos. Implantar um chip apenas nos equinos e bovinos não resolve o problema”.

Maus-tratos

O líder do governo na Câmara, vereador Júlio César de Barros (PMDB), o Julinho do Aeroporto, lembrou que a prefeitura já realizou a apreensão de animais. Contudo, o serviço foi suspenso após denúncias de maus-tratos ao Ministério Público.

Para George Jardim (PMDB), muitos proprietários maltratam esses animais e os submetem a longas jornadas de trabalho, sem alimentá-los. “Depois os soltam nas ruas para que eles procurem alimentos”. Para ele, quem não tem pasto, não deveria ter bois ou cavalos. “Senão, o pasto acaba sendo a rua. E quando o animal adoece ou é apreendido, o dono o abandona de vez”.

Jornalista: Adriana Corrêa

Deixe uma resposta