Vereadores protestam contra crime bárbaro e violência



Na sessão ordinária desta quarta, dia 26, os vereadores se pronunciaram inco

Na sessão ordinária desta quarta, dia 26, os vereadores se pronunciaram inconformados com o assassinato da advogada Ana Luiza Queirós Mattoso, de 61 anos, ocorrido no dia 24, em sua residência. O crime chocou pela barbaridade da execução. A vítima foi esfaqueada no pescoço, sua cabeça foi apedrejada e, por fim, estrangulada até a morte.

A vereadora, Marilena Garcia (PT), foi quem abriu o grande expediente de hoje e ao fazer uso da palavra demonstrou, emocionada, a indignação e a vergonha que sente diante de um caso como este; que classificou como um marco: “a morte de Ana Luisa é um marco, um demonstrativo de que a carnificina está pertinho da gente. Está rondando”, afirmou. E contou: “ouvi de uma pessoa, na última semana, que a violência daqui não atingia os macaenses, que era uma violência localizada. Mas não. Vivemos a desvalorização da vida humana e, ainda assim, não tem explicação para a tortura. Eu hoje estou aqui profundamente envergonhada de ter um mandato”, declarou.

“A morte de Ana Luisa é um marco da barbárie. Morrer sem dor em Macaé virou um privilégio. Não existe resposta religiosa nem técnica. O que faz um ou mais seres humanos amarrarem uma pessoa, esfaquearem e, não satisfeitos, acabarem com o cérebro e a cabeça dessa pessoa, a pedrada? Quantas horas Ana Luisa ficou amarrada,  sofrendo? Quem vai dar essa resposta a filha e a irmã de Ana Luisa? E a todos nós que convivemos com ela e amamos? Eu digo para vocês que ontem foi um dia em que eu me senti tão impotente, que eu me perguntei o que é que eu faço aqui nessa Câmara Municipal. Não existe na literatura, do mundo, um município que tenha sido barbarizado na sua alma, com o impacto do petróleo, como Macaé”, indignou-se a vereadora.

Em seguida, o plenário ficou de pé e fez um minuto de silêncio, a pedido do vereador, Pedro Reis (PSDB). O vereador rebateu as críticas da vereadora, Marilena Garcia, que atribuiu o estado de abandono do município à rixa entre o antigo governo municipal com a esfera estadual: “Não consigo entender essa responsabilidade mortal atribuída a um prefeito, porque nesse tempo a Câmara também esteve presente e apoiou o governo, assim como hoje apóia o prefeito, Riverton. Temos que tomar cuidado e ter responsabilidade com o que falamos”, afirmou. Quanto à morte de Ana Luisa, ele declarou: “me emociono ao falar no assunto. Estive com ela em várias situações e nada justifica. Por isso pedi o silêncio como reflexão, porque às vezes falamos, falamos e, por isso, propus um caminho diferente. A sociedade está apodrecendo e somos frutos dela. Mas a gente consegue mudar”, declarou.

O presidente da Câmara, Eduardo Cardoso (PPS), por sua vez, declarou que não abordaria o caso Aninha: “A mãe dela era amiga da minha mãe, funcionária da Prefeitura e Jair, de quem ficou viúva, era meu amigo. A Associação Médica de Macaé começou na farmácia do pai de Jair e depois mudou para um laboratório que Jair tinha, um escritório pequeno. Com o discurso emocionado e bem executado deMarilena e o discurso emocionado e mais silencioso de Pedro, Lembrei-me de um artigo publicado no jornal O Globo, de domingo, em que autor falava de cenas do filme Tropa de Elite e da Bebel da novela Paraíso Tropical. O que impressionava o cronista, a classe média e classe média-alta, eram cenas do filme em que mostrava o Bope matando criminosos e traficantes e as pessoas vibrando com aquilo. Por outro lado a personagem de Camila Pitanga, na novela das 20h; não por ser prostituta, mas pelo fato de ser uma prostituta de mau caráter e viver de golpes, é a personagem mais querida da classe média. Então, estamos nos acostumando com a violência, com a inversão de valores. Nós passamos a achar que nada nos escandaliza. Escandalizar-se pode ser uma forma de exercer o papel de política. Muitos se escondem, muitos se acovardam, mas a gente faz alguma coisa”, afirmou.

Em sua fala, o vereador e vice-líder do governo na Câmara, Luiz Fernando Pessanha (que entrará para a sigla do PRB, na manhã de sexta, dia 28), reclamou o fato de o delegado da Polícia Civil não ter comparecido à Casa, depois de ser convidado. Ele disse que irá desafiar o delegado: “Ele disse que 20% dos crimes foram elucidados. No dia em que roubaram o meu carro, recentemente, outros três carros foram roubados. Quero saber quais foram recuperados”, disse. E acrescentou: “eu não tenho vergonha de ser vereador. Eu tenho vergonha de ter um estado falido; de saber que uma viatura da Polícia parou no meio de uma
perseguição por falta de gasolina”, criticou.

O vereador, Maxwell Vaz (PT), contou que ao visitar a delegacia, na semana passada, junto ao deputado estadual, Gilberto Palmares (PT), este ficou apavorado com as condições da delegacia. “É isto?”, teria dito o deputado. “É claro que os vereadores desta Casa têm se esforçado. Desde 2005 foi realizado o Fórum de Segurança Pública, alertando as autoridades do município e do estado para os índices de criminalidade que já se fazia assustar”, afirmou. E declarou: “a cada três dias tem um homicídio em Macaé. No outro dia é outra notícia no jornal. Nós não podemos aceitar de jeito nenhum”, alertou.

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support