Vereadores protestam contra falta de água e insegurança



Durante a ordem do dia, o vice-líder do governo na Câmara, Luiz Fernando Pess

Durante a ordem do dia, o vice-líder do governo na Câmara, Luiz Fernando Pessanha (PMDB), relatou um levantamento do número de assaltos a ônibus no município, ao longo do ano. De janeiro a julho, a média era de 3 a 4 assaltos por mês. Em agosto o número subiu para 13; em setembro foram registrados 27 assaltos a coletivos: “quase um por dia”, alarmou. Em outubro, até o dia 16, já haviam sido registrados 18 assaltos. Mensalmente, a principal empresa de ônibus de Macaé – responsável pelas linhas municipais – contrata 48 funcionários; entretanto a evasão é de 54 ao mês, “em função dos constantes assaltos”, disse. A violência tem levado a uma baixa de seis funcionários todos os meses. “Sem motorista e cobrador, o ônibus não sai da garagem. Isto resulta nesse caos que vemos todos os dias: ônibus abarrotados”, lamentou o vereador. E alertou: “Em termos de violência, de população e de homicídios, temos que ter intervenção da Onu!”.

 

Luiz Fernando comentou a visita que fez a uma escola em que um estudante contou-lhe que já fora assaltado cinco vezes pela mesma dupla, na saída da escola: “O menino disse para mim que já virou cliente dos bandidos. Daqui a pouco, ele pode não ter condições de ir assistir à aula”, protestou. Ele contou, também, o caso de um estudante que chegou em casa, às 14h30, só com a roupa de baixo: “levaram tudo da criança, em plena tarde”, indignou-se.

 

O presidente da Casa, por sua vez, lembrou o número crescente de assaltos na orla de Imbetiba e chamou a atenção dos presentes para o caso de um jornaleiro do bairro que sofreu diversos assaltos este ano, sendo dois deles com efetuação de disparos por arma de fogo. E ao saber, através do vice-líder do governo na Câmara, Luiz Fernando, que o delegado publicou uma nota no jornal sentindo-se melindrado pelas críticas que os parlamentares vêm desferindo contra ele e seu não comparecimento ao plenário para explicações, disse que, às vezes, a Câmara nem sabe quem é o delegado: “a Casa critica a instituição. Assim como também elogia quando tem que elogiar. Então, o delegado não tem motivo para ficar melindrado. Tem é que trabalhar mais pelo segurança no município de Macaé”, concluiu.

 

O primeiro secretário da Câmara, Maxwell Vaz (PT), questionou em sua fala: “que fenômeno é esse que quanto mais a gente fala de segurança e de combate à criminalidade, mais a violência aumenta?”. Ele alertou sobre o movimento de evasão de moradores, que acuados pela violência, têm migrado para outros municípios. “As pessoas estão se mudando de Macaé por causa da violência. Dói ver os vizinhos mudarem, com o argumento: ‘ah, to mudando de Macaé, porque não agüento mais essa insegurança: é cerca elétrica, alarme, câmera…”, declarou.

 

Maxwell cobrou também: “este é um município que apresenta alto índice de violência e baixíssimo investimento na área social”. O vereador denunciou que, no décimo mês do ano, a entidade, Portadores de Alegria, só recebeu quatro parcelas do convênio com o ministério. Além disto, os carros que ficavam à disposição da instituição, foram suspensos. Maxwell alertou, ainda, para a falta de água no Centro de Atendimento de Hemodiálise, do SUS (Sistema Único de Saúde), no município, e cobrou providências. “A água de lá é controladíssima. Exige-se um padrão de qualidade, em que não é possível ficar na dependência de caminhão pipa”, protestou.

 

O vereador, João Sérgio de Lima (PMDB), sugeriu que seja adotada uma medida mais severa quanto à questão das parcelas provenientes de convênios entre a União e o município: “estamos quase implorando. Todos os discursos já foram esgotados. Vocês vêem que estamos no final do ano e foram repassadas quatro, cinco parcelas. As instituições correm o risco de terem suas atividades paralisadas. Temos que marcar uma reunião com o prefeito”, enfatizou. O primeiro secretário da Câmara, vereador Maxwell Vaz, acompanhou o requerimento de João Sérgio para marcar um encontro com o prefeito. Ao passo que Eduardo Cardoso justificou que o secretário Especial de Desenvolvimento Social e Humano, Jorge Tavares Siqueira, irá marcar a data para comparecer à Câmara e explicar por que as parcelas não estão sendo repassadas.

 

Já o líder do governo na Câmara, Paulo Antunes (PMDB), informou que Macaé será o primeiro município do país onde será implantado o sinal inteligente, por meio de um convênio entre a Mactran – Macaé Trânsito e Transporte – e a Universidade Federal de Santa Catarina. “Assim, o sinal fecha e abre de acordo com o fluxo”, explicou. Disse, também, que os ônibus terão chips implantados, para melhor controle. O vereador afirmou ainda, que na semana passada, chegaram os ônibus escolares que atenderão aos alunos da rede municipal: “as crianças são as principais vítimas dos assaltos nos ônibus. Os ônibus contam com espaço apropriado para deficientes físicos e servirão a 16 mil alunos por dia, só da rede municipal”, afirmou.

 

Ele elogiou o trabalho do atual comandante do 32º BPM e disse que a situação no município melhorou “e muito”, mesmo sem o aparato necessário que a Polícia Militar precisa: “antes, em Botafogo e na Nova Esperança, não tinha como entrar”, disse. Criticou, ainda, que a Cedae só fala dos bairros nobres do Rio de Janeiro e não discursa sobre o interior.

 

Câmara representada no Seminário Internacional em Brasília:

 

A vereadora, Maria Helena Salles (PSDB), comentou sobre o Seminário Internacional “Educação do século XXI: modelo de sucesso”, do qual participou na última segunda, dia 15, em Brasília. “Quatros dos maiores especialistas do mundo, nessa área, estiveram presentes. Estive, também, pessoalmente, com o deputado federal Gastão Vieira, que foi o promotor do evento e é o presidente da Comissão de Educação e Cultura (CEC), da Câmara de Brasília, e com o senador, Cristóvam Buarque, que é o presidente da Comissão Permanente de Educação no Senado”, contou.

 

Em relação à solicitação da Associação dos Aposentados de Macaé, quanto à regularização da sede, a vereadora informa que levou a questão à Brasília e o processo está, agora, em tramitação no Ministério da Assistência Social. Maria Helena reclamou, também, que o Instituto Christiano Salles não recebeu sequer uma parcela do convênio feito em parceria com o ministério.

 

Principais aprovações do dia:

 

Projeto de Lei 76/2007, de autoria do pastor, Jorge de Jesus (PRB), que passa a considerar de Utilidade Pública Municipal o Centro de Promoção Social Crianças do Amanhã. Projeto de Lei 79/2007, de autoria do vereador, João Sérgio de Lima (PMDB), que considera de Utilidade Pública Municipal a Associação Macaense de Praticantes de Esportes Radicais.

 

Requerimento 121/2007, promovido pelo vereador, Maxwell Vaz (PT), que solicita envio de correspondência ao Secretário Especial Municipal de Saúde para que diante da esfera estadual, através da Secretaria de estado de Saúde e Defesa Civil, obtenha aumento do teto de atendimento do SUS, no município de Macaé, para o procedimento de hemodiálise. Requerimento 122/2007, de autoria do vereador, Maxwell Vaz (PT), requer à mesa que solicite a presença de um representante da Codae – Comissão de Dinamização de Apoio ao Educando – para comparecer à Casa, em sessão ordinária, com o objetivo de apresentar o projeto Escola em Ação.

 

Requerimento 123/2007, de autoria do vereador, Maxwell Vaz (PT), requer, à mesa diretora, o envio de correspondência ao prefeito, através da Secretaria Especial de Esporte, Cultura e Turismo, para apresentar o valor do recurso financeiro aplicado no desenvolvimento do esporte amador e profissional de Macaé, nos anos de 2005, 2006 e 2007.Requerimento 124/2007, de autoria do vereador, Maxwell Vaz (PT), requer envio de correspondência ao prefeito, para que, através da Secretaria Especial de Desenvolvimento Local e Secretaria Executiva de Trabalho e Renda, forneça informações sobre o Programa Primeiro Emprego.

Deixe uma resposta