Vereadores tentam evitar fim do Ensino Médio de escola em Glicério



 <span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">Marcada para esta quarta-feira (14), a reunião está agendada para às 17h, na&nbsp;</span><span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">Escola&nbsp;</span><span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">Estadual Municipalizada&nbsp;</span><span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">Raul Veiga.</span>

A Câmara Municipal de Macaé aprovou, por unanimidade, na sessão desta terça-feira (13), um requerimento para realizar uma reunião da Comissão Permanente de Educação e Cultura do Legislativo na Escola Estadual Municipalizada Raul Veiga, no distrito de Glicério. A proposição foi apresentada por Igor Sardinha (PRB), mediante informações de que o Ensino Médio no turno da noite seria extinto e os alunos transferidos para Córrego do Ouro.
 

Marcada para esta quarta-feira (14), a reunião está agendada para às 17h. “O motivo da urgência é que o ano letivo está se encerrando e, se deixássemos para depois, perderíamos a chance de ouvir os alunos, a diretoria da escola e a comunidade”, justificou Igor. Os estabelecimentos que receberiam os estudantes seriam o Colégio Municipal Pedro Adami e a Escola Técnica Municipal Natálio Salvador Antunes.
 

“O motivo do fechamento seria o pequeno número de alunos. Mas, outro dia, recebi em meu gabinete 15 estudantes de apenas uma turma, protestando contra a transferência”, disse Welberth Rezende (PPS). Segundo Guto Garcia (PMDB), ex-secretário de Educação, a proposta foi apresentada em um dossiê pela diretoria da escola à Secretaria. “Vamos até lá para ouvir a comunidade e os servidores da Educação que estão analisando o caso”, completou Guto.
 

“As pessoas da região têm o direito de estudar perto de onde moram. Precisamos garantir que esses jovens possam se formar lá e que, de preferência, encontrem trabalho também por lá”, argumentou Marcel Silvano (PT). “Se fecharmos essa escola, estaremos indo na contramão das nossas necessidades”, acrescentou Júlio César de Barros (PMDB), o Julinho do Aeroporto. Maxwell Vaz (SDD), Nilton César Moreira (PROS), o Cesinha, e Chico Machado (PDT) também discursaram contra o fechamento da unidade.

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta