Arrecadação dos royalties sobe 38% no primeiro quadrimestre do ano

Foto:Tiago Ferreira

A prefeitura também divulgou um total de R$ 766,7 milhões arrecadados nos primeiros 120 dias de 2018.

Impulsionada pela valorização do dólar e pelo aumento no preço do barril do petróleo, a arrecadação com royalties garantiu a Macaé R$ 184 milhões, somente desta fonte, no primeiro quadrimestre de 2018. O valor totaliza 38% a mais do que o esperado para o mesmo período (R$ 132 milhões). Os números do Executivo foram divulgados na audiência pública que aconteceu no plenário da Câmara dos Vereadores, na tarde desta quarta-feira (30).

O ato contou com a presença do líder do governo, Júlio César de Barros (MDB), o Julinho do Aeroporto, e do líder da oposição, Maxwell Vaz (SD). Já a apresentação do balanço fiscal foi conduzida pelo Controlador-Geral da prefeitura, Luiz Carlos da Silva Cunha, e pelo subsecretário de Fazenda, Deroce Barcelos.

Entre janeiro e abril, outro dado pode ser considerado positivo. Ao todo, 645 novas empresas foram registradas em Macaé. Deste total, 61% foram de microeempreendedores (MEI) e 21% de empresas de médio e grande porte (Ltda ou S/A). Para efeito de comparação, apenas 277 registros aconteceram em 2017. De acordo com Deroce Barcelos, o resultado será de mais arrecadação para os cofres públicos por essas fontes.

Em contrapartida, Luiz Carlos demonstrou preocupação com a atual greve dos caminhoneiros e os possíveis impactos que serão causados caso os petroleiros paralisem efetivamente as atividades. “Muitas receitas variam com o mercado. Com certeza, teremos alguma baixa pelos acontecimentos dos últimos dias”, alertou.

Os números

No primeiro quadrimestre, a prefeitura arrecadou R$ 766,7 milhões (a receita estimada é de R$ 2,041 bilhões no ano). Deste valor, R$ 403 milhões são de receita própria. O IPTU foi uma das fontes positivas apontadas pelo Executivo, com um aumento de 22% em relação a 2017, além de já ter atingido 71% do esperado para 2018.

Em dezembro passado, o Legislativo aprovou o orçamento para 2018 fixado em R$ 2,041 bilhões (R$ 137 milhões a mais do que 2017), marca que Macaé não atinge desde o agravamento das atuais crises na economia, na política e no mercado internacional do petróleo. Um exemplo foi o ano de 2015, quando as receitas foram estimadas em R$ 2,4 bilhões.

Pagamento de pessoal

No terceiro quadrimestre de 2016, a base de cálculo para o pagamento dos servidores do Executivo foi de R$ 1,893 bilhão (57,47%). Nos primeiros meses deste ano, o valor teve uma queda de R$ 50 milhões, mas o percentual sofreu pouca alteração (56,54%), acima do limite máximo definido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que é de 54%.

Segundo Luiz Carlos, o governo segue tomando medidas para enxugar as contas. “A nossa base de cálculo vem caindo há pelo menos oito quadrimestres, mas o atual cenário é positivo. Os números continuam acima do esperado, mas início de ano sempre tem pagamento de férias e demais acertos. Com isso, a folha acaba inchando”, explicou.

Vereadores discutem os dados do orçamento

Maxwell iniciou sua participação questionando problemas sobre o pagamento de férias e outros direitos dos servidores que, de acordo com denúncias recebidas, estão atrasados. Os representantes da prefeitura afirmaram que os casos são pontuais e estão sendo analisados por meio de processos administrativos.

Em seguida, Maxwell falou sobre a transparência nos números do governo. “Várias portarias estão sendo publicadas com novos contratos, mas sem a divulgação de valores. O Executivo poderá ter problemas, pois se transformará em processo judicial no futuro”. O vereador do Solidariedade também denunciou que as chamadas públicas para licitações, como a da merenda escolar, não foram publicadas até o momento.

Julinho seguiu com os pedidos de explicações e lembrou que grande parte do orçamento está comprometido com o pagamento de servidores. “Muitas vezes, querem fazer críticas ao governo e sempre citam que o orçamento está em R$ 2 bilhões, mas pouco se fala sobre o total que sobra para os investimentos”.

O vereador do MDB também citou o Programa Macaé Cidadão, aprovado na última semana, e que restringirá o subsídio da passagem a R$ 1 aos os moradores do município. “Com certeza, teremos uma economia importante”, finalizou o também vice-presidente do Legislativo.

Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support