Câmara aprova implantação de ponto biométrico na Prefeitura de Macaé



 <span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px;">Foi aprovado nesta terça-feira (30), o prijeto para a implantação do sistema de ponto biométrico para os servidores municipais.</span>

Foi aprovado na manhã desta terça-feira (30), na Câmara Municipal de Macaé, o Projeto de Lei 040/2014, de autoria do Poder Executivo, que dispõe sobre a implantação de um sistema de ponto biométrico para os servidores da administração municipal. Apesar das críticas dos vereadores Igor Sardinha (PT), Maxwell Vaz (SD) e Marcel Silvano (PT) ao texto, o projeto foi aprovado por unanimidade entre os parlamentares presentes.
 

A oposição criticou o texto do Projeto de Lei (PL), porque este apenas autoriza o Executivo a fazer algo que não precisa de autorização, já que este é um ato interno de gestão administrativa. Segundo Igor, o PL não obriga e nem garante a implantação do ponto eletrônico. “É um projeto importante, sem dúvida, mas não temos como obrigar o prefeito a implantar o ponto eletrônico. Além disso, a proposta não informa o modelo que será utilizado, tampouco o prazo.”
 

Já o vereador Maxwell pediu que a utilização do ponto biométrico seja estendida, indistintamente, a todos os servidores municipais. “Não devemos deixar à margem os servidores que não trabalham no prédio principal da administração municipal ou os servidores de cargos comissionados.”
 

Outro ponto levantado pelo vereador é o respeito aos direitos dos servidores. “Quando os trabalhadores exercerem suas funções além do horário, devem receber o pagamento devido. Voto favorável a proposta, mas com essas ressalvas”, disse Maxwell.
 

Embora reconheça a importância do projeto, o vereador Guto Garcia (PT) disse não entender o motivo da urgência da pauta. Segundo ele, a implantação do ponto em todos os prédios públicos e a interligação à folha de pagamento levará pelo menos um ano. “Concordo com essa tentativa de moralizar a gestão, no entanto, o serviço ainda não foi licitado e tudo isso leva tempo, é algo para 2016.”
 

O presidente da Casa, Eduardo Cardoso (PPS), explicou que a urgência foi solicitada pelo prefeito Aluízio Santos Jr. (PV). “Acredito que o pedido se deve à necessidade de dar uma resposta ao Ministério Público que investiga a frequência de servidores na administração municipal.”
 

Ao final da discussão, o vereador Marcel declarou esperar que essa não seja apenas uma medida punitiva, mas que a partir dela os servidores também recebam melhores condições de trabalho para desempenhar suas funções.

 

 

Jornalista: Adriana Corrêa

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support