Canudos e copos plásticos não biodegradáveis banidos na cidade

Foto:Ivana Gravina

Projeto de lei recebeu voto favorável de todos os vereadores presentes.

 Seguindo uma tendência global, a Câmara Municipal de Macaé aprovou na sessão desta terça-feira (19), o Projeto de Lei (PL) 69/2018. De autoria do vereador Paulo Antunes (MDB), o PL proíbe o uso e a distribuição de canudos plásticos em bares, restaurantes, hotéis, quiosques e por ambulantes da orla. Uma emenda do parlamentar Robson Oliveira (PSDB) incluiu no projeto o banimento também de copos descartáveis não biodegradáveis, além de estender a proibição a todo o município – e não apenas nas proximidades da praia.

De acordo com o autor da proposta, o objetivo é preservar o meio ambiente e a vida marinha. Caso o prefeito sancione a lei, os comerciantes e ambulantes terão 180 dias para se adaptarem à nova regra. Quem descumprir a legislação, pode ser multado, ter sua atividade comercial suspensa e até cassada.

Conforme explicou Robson Oliveira, os canudos e copos plásticos deverão ser substituídos por outros feitos com material biodegradável, recicláveis e de menor impacto ao meio ambiente.


Apoio dos demais vereadores

Maxwell Vaz (SD) parabenizou os dois vereadores pela iniciativa e pediu que os comerciantes colaborem se adaptando o quanto antes à legislação. “É pela manutenção da vida nos oceanos”, defendeu.

Nilton César Moreira, o Cesinha (Pros), classificou a lei como “brilhante” e pediu ao presidente Eduardo Cardoso (PPS) que a Câmara seja exemplo para todo o serviço público no cumprimento dessa lei.

O PL foi aprovado por unanimidade dos parlamentares presentes.


Tendência mundial

No Brasil, mais de 25 cidades já baniram o uso e a distribuição de canudos plásticos, segundo o Portal Cidades Inteligentes. Na região, Cabo Frio e Arraial do Cabo saíram na frente na abolição do uso dos canudos plásticos. Os dois municípios seguem o exempo do Rio de Janeiro, primeira capital a aderir à recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU), que já mobilizou 50 países a abandonar completamente o seu uso.

Entenda o problema

Segundo dados da ONU, o canudinho de plástico representa 4% de todo o lixo plástico do mundo e, por ser feito de polipropileno e poliestireno, não é biodegradável, podendo levar até mil anos para se decompor no meio ambiente. Além disso, a sua produção contribui para o consumo de petróleo, (fonte não renovável), e seu tempo de uso é muito curto – cerca de quatro minutos. Isto é, quatro minutos que equivalem a centenas de anos de poluição para o meio ambiente.

Para agravar a situação, o canudo comum também é fonte de formação de microplástico, o formato mais prejudicial de plástico, que contamina os alimentos, o sal, os organismos e até a água potável.

E não adianta apenas descartar o canudinho na lixeira. Pois mesmo quando é descartado corretamente, ele leva o mesmo tempo para se decompor e, durante esse período, pode escapar pela ação do vento e ser carregado pela chuva para mares e rios, impactando toda a fauna aquática. Estima-se que 90% das espécies marinhas tenham ingerido produtos de plástico em algum momento.  Jornalista: Adriana Corrêa


Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support