Guarda municipal: Legislativo aprova mudança na escala de trabalho

Foto:Tiago Ferreira

Um grande grupo de servidores da Guarda Municipal acompanhou a votação.

Na sessão desta terça-feira (24), a Câmara de Macaé aprovou o Projeto de Lei Complementar (PLC) 012/2017, do Executivo, que altera a escala de trabalho da Guarda Municipal. Assim que a matéria for sancionada pelo prefeito Aluízio Santos Júnior (PMDB), os servidores da categoria voltarão à escala de 24 horas trabalhadas por 72 horas de descanso.

Em 2013, houve alteração para 96 horas de descanso a cada 24 horas de trabalho por iniciativa do próprio Executivo. Agora, o novo modelo contemplará os guardas civis e os agentes de trânsito. Por meio de uma emenda do vereador Júlio César de Barros (PMDB), o Julinho do Aeroporto, em coautoria com o presidente Eduardo Cardoso (PPS), a carga horária dos servidores da Defesa Civil foi retirada do texto original e não haverá alteração.

A segunda emenda ao PLC foi do vereador Welberth Rezende (PPS). O parlamentar propôs o estabelecimento de um teto máximo de 176 horas trabalhadas mensalmente, o que gerará uma redução de 50% do aumento da nova escala. As duas emendas foram aprovadas pelos governistas. A bancada de oposição se absteve com a justificativa de não concordar com a proposta e com o regime de urgência em que foi votada, além de ter questionado a legalidade da iniciativa.

Durante os debates, os servidores da guarda que estavam presentes protestaram contra a proposta. O líder da oposição, Marcel Silvano (PT), leu uma carta elaborada pelos profissionais “A tática do prefeito em jogar a população contra a categoria, além de colocar toda a culpa pelos serviços prestados neles, é injusta. Precisamos é discutir as péssimas condições de trabalho e a falta de valorização não só da categoria, mas de todos os servidores da prefeitura”, criticou.

Ao final, o PLC foi aprovado com 11 votos favoráveis e a seis contrários pelos vereadores da bancada oposicionista.

Oposição condena projeto

O vereador Maxwell Vaz (SD) também não poupou críticas ao prefeito. “A situação da guarda é precária. Antes de mexer em direitos adquiridos, o Executivo deveria dar condição de trabalho digna aos servidores, o que hoje não existe.”

Na sequência, Luiz Fernando (PT do B) fez coro à fala do parlamentar. “Não pode haver dois pesos e duas medidas. Aprovar o projeto do jeito que está, em pouco tempo, gerará um enorme passivo trabalhista. É ilegal aumentar a escala de trabalho sem compensação”, alertou.

 

 

Atualização no dia 25/10/2017, às 09h45:

  • Diferentemente do informado na matéria original, o Projeto de Lei 012/2017 foi aprovado com 11 votos favoráveis e 6 votos contrários e não com 6 abstenções. O texto foi corrigido.

 

Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support