Intolerância religiosa: população cobra ações das polícias e do Executivo

Foto:Ivana Gravina

Com a presença de autoridades e religiosos, a Câmara Municipal de Macaé promoveu um debate sobre a intolerância religiosa na cidade. A audiência pública aconteceu na noite desta quinta-feira (5), foi presidida por Marcel Silvano (PT) e também contou com a participação de Maxwell Vaz (SD). Na pauta, pedidos para aumento na fiscalização e na investigação de ocorrências, além de investimentos em projetos educacionais e de inclusão social.

No início, Marcel citou recentes casos de intolerância religiosa que ganharam destaque no país para abrir os debates. “O que precisamos é discutir com a sociedade e com as instituições este problema. Os ataques acontecem principalmente com as religiões de matizes africanas e não podemos permitir. Podemos viver em paz, com democracia e com respeito a todos”, disse.

Foto: Ivana Gravina

Morador do bairro Lagomar há 30 anos, o pai de santo Anderson Fernandes de Oliveira afirmou conviver diariamente com ataques por ser praticante da umbanda e do candomblé. “Nesta semana, uma senhora do meu terreiro sofreu ameaças quando ia entregar uma oferenda. Confesso que tenho receio do que possa acontecer. Praticantes de outras religiões tentam nos intimidar e sei que são atitudes que não partem dos líderes e, sim, de alguns fiéis. Só precisamos que respeitem o nosso espaço”, afirmou.

De acordo com a representante do Programa de Diversidade Étnica da prefeitura, Kátia Magalhães, o tema precisa ser discutido abertamente. “Esta é uma história que não deve ser restrita apenas aos terreiros e às casas do povo do axé. Os ataques sempre existiram e partem de um racismo religioso muito forte”, acrescentou.

Cobranças por mais visibilidade também partiram do público. Um dos que fez esta reivindicação foi o praticante de umbanda Anthony Théo. “Sofro preconceito desde que entrei para a religião, quando tinha 15 anos. Não quero e nem busco ser tolerado ou que tenham pena de mim. Eu quero é respeito. Sempre sou xingado quando vou ao terreiro com a minha roupa”, protestou.

A audiência pública também contou com a presença de católicos e espíritas. A ausência de pastores e evangélicos foi lamentada pelos presentes.

Maior fiscalização e cumprimento das leis

Desde a década de 90, existe uma lei municipal que assegura uma distância mínima de 200 metros entre centros religiosos. A informação foi lembrada pela ex-vereadora e professora Ivânia Ribeiro. “A lei surgiu quando uma denominação pentecostal se instalou em frente a um centro espírita para confrontar quem por lá passava.”

Apesar da legislação em vigor, casos semelhantes foram denunciados, além de pedidos para o cumprimento da Lei do Silêncio, que estabelece multas e penalidades para pessoas e órgãos que não respeitarem os limites de sons em imóveis e vias públicas. Casos de pregações em ônibus e a utilização de casas adaptadas como igrejas e sem as devidas instalações acústicas também foram citados como formas de imposição religiosa.

Polícia pede que população denuncie

Foto: Ivana Gravina

Mesmo com vários relatos, tanto a polícia civil quanto a polícia militar reforçaram os pedidos para que os casos de intolerância sejam registrados. De acordo com o subcomandante do 32º Batalhão da Polícia Militar (BPM), Lázaro Parotti, não há nenhum caso oficializado neste ano. “É importante que as pessoas relatem. O batalhão atenderá todos os chamados e desde já afirmo que estamos de portas abertas”.

Lázaro também divulgou que, além do telefone 190 para denúncias, o cidadão pode entrar em contato com a PM pelo Whatsapp, no número (22) 98168-2344, com a garantia de sigilo para o denunciante. Ainda é possível baixar um aplicativo como forma de comunicação dos casos pelo site http://32bpmrj.org. O dispositivo deve ser instalado em celulares.

Já o delegado da 123ª Delegacia de Polícia, Rodolfo Maravilha Franco da Silva, reforçou que o Estado é laico, ou seja, não professa nenhuma religião de forma oficial. “O respeito vale para todas as religiões e para todas as crenças. Este é um tema que deve ser discutido desde cedo, nas casas e nas escolas”, defendeu.

Antes do encerramento, Maxwell Vaz frisou que a principal causa do problema é o preconceito. “O próprio papa Francisco diz que a religião não deve justificar a violência em momento algum. Estamos falando de tradições que enriquecem a nossa sociedade”, finalizou.

 

Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support