Rejeitada proposta de transformar o Orçamento Participativo em Impositivo



 <span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">A emenda à Lei Orgânica Municipal, do vereador Igor Sardinha (PT), foi rejeitada n</span><span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px; text-align: justify;">esta terça-feira (23).</span>

Uma emenda à Lei Orgânica Municipal, de autoria do vereador Igor Sardinha (PT), foi rejeitada pela maioria dos parlamentares presentes na sessão ordinária desta terça-feira (23), na Câmara Municipal de Macaé. A proposta era transformar o Orçamento Participativo (OP), no qual a população decide quais serão os investimentos públicos no seu bairro e na sua cidade, em impositivo; ou seja, a execução orçamentária do que foi definido pela população, por meio do OP, passaria a ser obrigatória para o Executivo.
 

A proposta provocou a reação imediata do líder do governo na Câmara, o vereador Júlio César de Barros (PPL), que pediu aos demais parlamentares da bancada para se posicionarem de forma contrária. A emenda contou com o apoio de cinco vereadores: Marcel Silvano (PT), Guto Garcia (PT), Amaro Luiz (PSB), Maxwell Vaz (SD) e do próprio autor, Igor Sardinha. Os outros oito parlamentares presentes votaram contra a proposição, atendendo aos apelos do líder.
 

Para Júlio César, a emenda é uma nova tentativa da oposição para “engessar” o governo municipal. Contudo, o autor da proposta desmentiu essa versão, enfatizando que o objetivo é estimular, respeitar e fortalecer a participação popular. “A ideia foi discutida com a população para garantir que as necessidades e prioridades, definidas por meio do OP, sejam realizadas pela administração municipal”, esclareceu Igor.
 

Para Igor, a liderança do governo se posiciona claramente contra a participação popular; opinião compartilhada por Marcel Silvano, que ressaltou que apenas 5% do orçamento municipal é destinado ao OP. “Não acredito que 5% de um orçamento de mais de R$ 2 bilhões vai engessar o governo. O que engessa é uma folha de pagamento inchada e um planejamento equivocado. Esta é só uma tentativa de incluir os cidadãos no processo de tomada de decisões políticas.”
 

Amaro Luiz também destacou que a emenda evitaria o distanciamento do povo do OP e daria mais credibilidade para o governo municipal. Já Paulo Antunes (PMDB) defendeu a posição do líder do governo, afirmando que apesar do prefeito tentar atender a todos, nem sempre isso é possível. “A responsabilidade é do administrador, por isso não dá para ser impositivo. Sou a favor da discussão e da participação; e se a população não concordar, o prefeito simplesmente não será reeleito.”

 

Jornalista: Adriana Corrêa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support