Royalties impulsionam aumento na arrecadação do município

Foto:Ivana Gravina

O aumento na cotação do barril de petróleo impulsionou a arrecadação de royalties do município, principalmente no último quadrimestre de 2017. A receita com todas as fontes que entraram nos cofres da prefeitura totalizou R$ 651,3 milhões. Os números – 5,88% a mais do que o previsto para o período- foram divulgados na Câmara dos Vereadores, em audiência pública realizada por convocação do Executivo na tarde desta terça-feira (27).

A prefeitura estimava receitas de R$ 93,3 milhões em royalties, mas arrecadou R$ 148 milhões, ou seja, um aumento de 58,63% entre outubro e dezembro. Em contrapartida, as receitas com recursos próprios caíram 6,65%. Com os números em mãos, o presidente da Casa, Eduardo Cardoso (PPS), e os vereadores Maxwell Vaz (SD) e George Jardim (PMDB) apresentaram questionamentos ao secretário da Fazenda, Ramirez Cândido, e ao Controlador do Município, Luiz Carlos Santos. Também participaram da audiência os vereadores Marvel Maillet (Rede) e Alan Mansur (PRB).

Para Maxwell, as secretarias deveriam estar presentes. “Quem gasta os recursos não está aqui. Como discutiremos sem os representantes diretos das pastas? Reconheço o esforço da Fazenda na arrecadação, mas os debates precisam acontecer. É importante frisar que, em apenas dois meses, o prefeito já remanejou R$ 150 milhões e não deu qualquer explicação”, disse.

Já Eduardo Cardoso lamentou o baixo número de pessoas na audiência. “Espero que a sociedade entenda o quão importante é um ato como este. Precisamos conhecer as finanças da cidade e confesso que estou muito preocupado com a folha de pagamento dos servidores. Me pergunto o que pode ser feito, principalmente porque não há reajuste há alguns anos e não vemos margens para que essa correção aconteça.”

Os representantes do Executivo também demonstraram preocupação com o pagamento dos servidores. De acordo com Luiz Carlos, a folha teve uma redução de R$ 100 milhões de 2015 para 2017, mas o valor está em 56,67% do orçamento quando o estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é 54%. “Somente na reforma administrativa de 2016, 700 cargos comissionados foram extintos, mas as receitas de recursos próprios caíram”, acrescentou.

Os números

Em 2017, Macaé voltou a atingir R$ 2,006 bilhões em arrecadação. O principal motivo é que as perspectivas com a recuperação da indústria do petróleo também seguem em alta e podem ser comprovadas com os royalties, que totalizaram R$ 422 milhões quando o estimado eram R$ 244 milhões para os 12 meses do ano.

Em contrapartida, George Jardim afirma que os números não refletem investimentos, principalmente na Região Serrana. “Só vemos abandono, estradas esburacadas e insegurança. Todos os distritos estão esquecidos pelo poder público”, criticou o vereador.

Educação e saúde

As redes públicas de ensino e saúde seguem no topo dos investimentos feitos pela prefeitura. Em 2017, 40 mil alunos foram matriculados em escolas municipais e o orçamento da educação (pagamento de pessoal, alimentação e transporte) se aproximou dos R$ 450 milhões. Já a Saúde chegou aos R$ 496 milhões, que incluem as despesas com o Fundo Municipal de Saúde e os atendimentos (baixa, média e alta complexidade), além dos salários e dos encargos de servidores.

Jornalista: Júnior Barbosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support