Vereadores mantêm o veto do prefeito à Lei dos Plantões



 <span style="font-family: arial, helvetica, sans-serif; font-size: 14px;">PL que propunha a divulgação das escalas dos médicos de plantão nas unidades públicas de Saúde é vetado.</span>

 <span style="font-size:14px;"><span style="font-family:arial,helvetica,sans-serif;">Apesar dos argumentos da oposição, os vereadores de Macaé mantiveram o veto do prefeito Aluízio Santos Jr. (PV) ao PL 107/2014, conhecido como 'Lei dos Plantões', de autoria do vereador Igor Sardinha (PT). O PL propunha que as escalas dos médicos de plantão fossem afixadas nas portarias das unidades públicas de Saúde municipais. Na votação realizada na sessão desta terça-feira (17), o veto recebeu 11 votos favoráveis, cinco contrários e uma abstenção.</span></span><br />     &nbsp;

Conforme informou o seu autor, o PL tinha o propósito de possibilitar à população fiscalizar o cumprimento do horário de trabalho de médicos e dentistas que atuam no serviço público municipal.
 

Maxwell Vaz (SD) lembrou a denúncia de 133 médicos fantasmas na Saúde pública de Macaé, que está sob investigação do Ministérios Público. O parlamentar informou que a ausência desses profissionais gerou um prejuízo de R$ 13 milhões aos cofres públicos e a atual administração municipal sequer criou uma comissão para apurar o fato. “Não podemos ser omissos. Precisamos nos comprometer com a população que não pode ficar sem atendimento médico”, disse.
 

Para Igor, o veto do Executivo se resume a uma decisão política, já que não possui suporte jurídico. Na sua opinião, o mesmo acontece com a decisão dos vereadores, que já haviam aprovado o PL em dezembro de 2014. “Se voltaram atrás agora foi por uma questão política. Até porque o projeto ainda poderia receber emendas parlamentares e ser aperfeiçoado, se houvesse interesse”, respondeu.
 

Já para os vereadores Paulo Antunes (PMDB) e Lúcio Mauro, a implantação do ponto biométrico deve resolver essa questão e, por isso, eles alegam ter votado em consonância com a decisão do prefeito. O presidente da Câmara, Eduardo Cardoso, também defendeu o veto: “Voto dessa maneira em respeito aos médicos que exercem suas funções sem condições de trabalho, que por várias vezes ultrapassaram o seu horário para ajudar um paciente e fazem muito mais do que lhes é devido por amor e vocação.”

 

Diante das explicações, Amaro Luiz (PSB) rebateu a argumentação do presidente, esclarecendo que o PL beneficiaria os bons servidores. “O que não podemos permitir é que um médico honesto e trabalhador receba o mesmo salário que outro que não vem trabalhar, não cumpre o seu horário ou não permanece no seu posto de serviço.”
 

Jornalista: Adriana Corrêa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support